O mito da competição malvada

Sobre o mito de que competição econômica traz o pior das pessoas e gera desigualdade.

Já argumentei que o homem tem necessidades e busca satisfazê-las através do trabalho e do acúmulo de capital (poupança). O liberalismo prega que o melhor modo de gerar riqueza é deixar a economia livre para crescer, o mercado (soma total dos agentes da economia) sendo mais eficiente que o estado para investir e buscar lucro e produtividade. A competição é fruto dessa liberdade. Se o mercado é livre, eu posso fazer um disco melhor que o do outro músico, usando equipamento com mais fidelidade, mais barato, no estúdio na casa do meu amigo, usando marketing viral na internet pra vender e cair na preferência do público. O Zezinho tem 30 reais pra gastar com CD, vai preferir comprar o meu. O músico Almeida se ferrou. Vai ter que mudar de profissão, melhorar sua propaganda ou fazer um disco melhor.

A flexibilidade do trabalho é muito importante. Antigamente não importava se eu era músico, acadêmico ou cientista, quando batesse a fome, se eu não tivesse estocado, ou não soubesse pescar, eu tava ferrado. Hoje em dia existe um mito de que a pessoa deve seguir no mesmo trabalho pra sempre. Em épocas de dificuldade isso não é possível! Se alguém perder seu trabalho por causa da competição, procure outro tabalho, alguém conseguiu emprego numa empresa que satisfaz melhor os consumidores. Eu era bambuseiro, um bambuseiro famoso e respeitado, mas não gerava riqueza. BUM! Sou motorista agora, satisfaço uma necessidade real de consumidores, e posso em troca satisfazer minhas necessidades, nada mais justo, não vou ficar me lamuriando e exigindo que o mundo veja o valor do bambusismo.

O mercado é implacável. Os consumidores, livres para escolher onde gastar seu dinheiro suado, vai optar sempre pelo mais barato, pelo melhor, pelo maior, pelo que mais lhe satisfizer. Ninguém deve obrigá-lo a comprar alguma coisa mais cara para proteger o trabalho de alguém.

Os governos fazem muitas coisas que afetam essa competição. No Brasil não se podia comprar computadores estrangeiros, era uma piada, eu tive que me virar com o MSX durante anos, era a mesma coisa com carros antes. Collor com uma canetada possibilitou muito mais crescimento econômico que o Lula jamais possibilitará. Reclamar da competição usando facebook, num windows, num firefox, num notebook toshiba, que eu fui na loja com meu carro comprar, seria um paradoxo.

O mito da competição malvada

Um comentário sobre “O mito da competição malvada

  1. Olá,

    Meu nome é Thalita Novo e sou coordenadora de redes no Instituto Millenium – IM http://www.imil.org.br/. O Instituto Millenium é uma organização sem fins lucrativos, sem vinculação político-partidária, que promove valores fundamentais para a prosperidade e o desenvolvimento da sociedade brasileira. Lutamos pela defesa da Democracia, da Liberdade, da Economia de Mercado e do Estado de Direito, em suma, por um Brasil mais próspero e livre.

    Nós do Instituto apreciamos o trabalho do seu Blog https://raphaelmoras.wordpress.com/ estamos muito interessados em promover uma parceria com troca de links e/ou de banners entre nossos sites para intensificarmos nossas redes em prol de um Brasil desenvolvido.

    Ficaríamos muito honrados se aceitasse nosso convite!

    Aguardo seu contato!! (Por favor, entre em contato via email !!!)

    Atenciosamente,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s