CALEB J. MILES, University of Auckland, New Zealand

cachê do google – whakahekeheke:

A brief history of society. This is an historical account of socialinstitutions. We have many names for these institutions – law, rights, customs, norms, morality, tradition, culture, language, etc. I am going to be focusing on two institutions: property rights and the State.

Understanding these institutions is absolutely necessary for understanding politics.

Biologically modern humans have been living on Earth for at least 100,000 years. For almost the entirety those many millennia, human society consisted only of small bands living together as hunter-gatherers. Men hunted and women gathered.

In these hunter-gatherer bands, early forms of customary law (norms and rules for human interaction) emerged across generations in an evolutionary process we call “group selection.” This unwritten law usually had content along these lines:

  1. Men hunt as a team and help each other prepare weapons.
  2. At least some meat is shared amongst the whole hunt-gatherer band.
  3. Better individual hunters have first dibs on the best meat or any extra meat.
  4. Better individual hunters get more sex (with the women) and/or more wives.
  5. Individuals or households own any ornaments, trinkets, dishes, clothing, stones, tools or other items they make themselves, find, or receive as gifts.

That last law (#5) is the key one here, because the point being made is private property rights existed in pre-agricultural society. [Leave mouse pointer over links to see citations.]

Furthermore, the criteria for ownership was roughly first possession – whoever acquires the item first (including making it) is the owner. First possession as the basis for ownership has been shown in evolutionary theory and history and empirical psychology to be near-universal among humans on an interpersonal basis. Most interestingly, in child psychology, babies and young children have been shown definitively to infer ownership from first personal possession.

Hence private ownership based on first possession is called “the property instinct.” It has become largely instinctual, hardwired into the modern human brain, with cultural norms acting complementarily to this reinforce and nuance this instinct. Hunter-gatherers had such private ownership in certain items (including, in a sense, owning themselves i.e. having rights to their own body). However – with the exception of sedentary hunter-gatherers – private property did not extend to land.

Land was not privately owned. Modern economics explains why: nobody stood to gain from developing private property rights in land. Land was abundant and people were relatively scattered. Hunter-gatherers were mostly nomads who were always on the move. They did not have crops or houses or domesticated animals. In the terminology of institutional economists Coase andDemsetz, the transaction costs of internalization were greater than any perceived benefits. Therefore no property rights emerged for land in their customary law. Hunter-gatherers did have private property in other individual items because the reverse was true for those items.

So how did customary law actually work?

White circles = people and the lines are direct interaction between people. All the 5 individuals here directly interact with each of the other individuals in the group. This was how social institutions were defined and enforced within hunter-gatherer bands – through direct, personal interaction among all participants:

Customary law was not designed or enforced top-down by any centralized body. Rather, customary law was created gradually, arising from the bottom-up as individuals imitated the repeated interactions of other individuals who were successful at whatever they were trying to do.

Successful norms became part of the intergenerational culture of the band, and in some cases they even became instinctual (e.g. first possession as private property). The bands that were sustained and successful were the bands whose individuals followed customary laws that made the group more reproductively efficient. Groups that did not adopt as efficient laws would not be as successful, and could even potentially die out completely. Hence “group selection.”

Thus customary law evolved.

Customary law was enforced reciprocally by most everyone else in your band, primarily through threat of ostracism. If you stole something or took more than your agreed-upon share of the group-hunted meat or whatever, other people would scold you, you would face social pressure, and in the extreme case you would be completely ostracized from the band.

This worked because these hunter-gatherer bands were small –something around 150 people or less – and you practically had to personally interact with all the other individuals all the time. You personally, individually knew most all the other people in your band.

Now, again, hunter-gatherer bands were mostly nomadic. (Note however that the few hunter-gatherers who were not nomadic, like the ones who lived off fishing, did have private property rights in land.) Hunter-gatherers moved around all the time. Arrows represent migration:

However with the onset of the Neolithic Revolution around 10,000 years ago, hunter-gatherers began to store food, to farm agricultural crops, and to domesticate animals. Some of these early farmers engaged in swidden agriculture, which is where the groups were still small and moved around but individual families would periodically clear small plots, plant crops, and then let the plot regrow.

Staying consistent with the first personal possession criterion, a plot remained perpetual private property of the household that first cleared it and the same farmers would return to that plot. This is perhaps the first known instance of absentee ownership in land. Households and bands mutually recognized this private property:

Other hunter-gatherers eventually settled down permanently and built the first villages:

In these settlements, the foundation of human civilization rapidly developed – that is, division of labor. Technology emerged which allowed some individuals to specialize in doing things beyond hunting and gathering and then beyond farming and fishing. Labor was divided amongst individuals according to specialties.

We became toolmakers, miners, sculptors, carpenters, builders. We began to trade, to realize the incredible mutually beneficial gains from trade, and compete for these economic gains rather than merely for meat or status or women. We got better and better at our specialties.

For our whole existence as a species, up until this point, we’d been limited to small-group forms of social organization. We finally began to move beyond that. We went from small bands comprising only direct interaction with people we personally knew:

To ever-growing networks of indirect interaction comprising many more individuals than any one person could possibly know:

Mass indirect interaction meant long-distance trade. Trade triggered and co-evolved with other institutions: money, marketplaces, complex written languagearithmeticcommercial arbitration and multilateral contracting, common law with mutually-respected judges, and the extension of property rights to land and other capital.

This social order was (and still is) emergent or spontaneous, meaning it came about indirectly, arising bottom-up from the interactions of individuals acting on their own self-perceived interests and information. It was not designed or imposed top-down. To understand this, think of a flock of starlings in flight:

These birds have no leader, no single starling with special privileges to order the others. Yet we can clearly see some order in their organization—and it works: none of the birds run into each other. Order here is emergent from the interactions of individual starlings acting on their own simple information and incentives, not imposed top-down by any individual starling or subgroup of starlings. Complex order spontaneously emerges from the individual as basic unit:

Individual humans following the Neolithic Revolution were incentivized by self-perceived interest to interact, and thereby create and maintain the developing social institutions of civilization. Thus order in human society is emergent, a feedback loop which begins and ends with individual interaction and individual incentives.

Humans care primarily about themselves and the people they are personally aware of—as we have evolved to do. Participating in the newly expanding market presented enormous potential gains for defining property rights, trading, and so on. Motivated, we produced goods and services that other players in the market would consider valuable so we could sell and profit. These services included those of judges and other legal producers whodiscovered/created common law and adjudicated disputes.

Everyone was made better off by the growth of mutually beneficial market activity. Division of labor spread ever wider. We continued to specialize, to further improve our means of production. Resultant technological innovation and population increases spurred more growth. Market prices gave us real-time informationabout the relative supply and demand of different products, information we could use to optimally calculate, coordinate, and plan our own economic lives.

And all of this development was built on that age-old social institution of property rights.

As is the case for all human property rights, land ownership was broadly based on the human property instinct – first personal possession – that is, homesteading. Homesteading meant that individual(s) owned land if they, for example, built a house on it, grew crops on it, raised cattle on it, or were given the land by the person who did. Precise quantitative details differed as to how much property one was entitled to based on any such activity (and other factors) but the general principle was and is still today virtually universal on an interpersonal level.

We must limit this principle’s practice to the interpersonal level because of a new institution that emerged long after property rights and human civilization. That institution is the State.

The State is what most people today call “the government.” Today, almost all such governments are Nation-States. The standard empirical definition of the State in social science is given by Weber“a human community that (successfully) claims the monopoly of the legitimate use of physical force within a given territory.” Sometimes, this is shortened to “a monopoly on violence,” for instance by Barack Obama.

A more detailed empirical definition is provided in The Encyclopedia of Cultural Anthropology (1996):

The State is an independent, centralized socio-political organization in a complex, stratified society living in a specific territory, and consisting of two basic strata, the rulers and the ruled, whose relations are characterized by political dominance of the former and tax obligations of the latter, legitimized by an at least partly shared ideology.

Key to understanding the State is an understanding of the central role of ideology in state formation and state power. Unlike property rights, the State emerged from an ideology projected upwards onto a single, centralized leader(s). Almost all States began as what we would today call religious cults. Cult leaders claimed to be gods or speaking for the gods and people voluntarily gave the leader some of their income.

Cult ideologies grew. The to-be State is the big circle at the top. The white lines going from other people to the State are projection of divine legitimacy and giving of funds:

Now at this last point in the early State’s formation, nobody is being physically forced to fund it. However the two dots in the upper right represent people who refuse to voluntarily give any of what they own to the cult leader. Perhaps they don’t believe that the cult leader actually is a god.

Those two resisters will be physically forced to fund the leader. Thus a State emerges. Because most other people do believe in the divine legitimacy of the leader, they will stand by and fund the proactive use of physical force against the two dissenters even if they find the coercion personally distasteful:

Any single individual knows that if she doesn’t pay the tax, the same will ultimately happen to her. Furthermore, the people who control the State use the funds they receive to build monuments, promote symbols, employ armies, and throw festivals in honor of the leaders. The State is now a positive feedback loop of proactive coercion and mass ideology; ideology enables the collection of funds by coercion, which in turn reinforces the ideology.

This is the essence of the State.

Over time, the State has become an intergenerational institution. The State’s legitimate ability to collect funds by proactive force is assumed by default without conscious consideration and reinforced by the State’s relatively recent top down monopoly on “law”-making. The vast majority of people today, throughout their entire lives, have never even thought of the question of legitimacy or morality or logic of the State as an institution. If anyone is interested in this question, I recommend The Machinery of Freedom by UC economist David Friedman or this youtube presentation on the subject by economics student Ryan Faulk.

Addendum: The State versus Property Rights

The State violates the emergent, common law property rights of individual human beings. We humans use “theft” and “extortion” and similar terms to refer to a violation of these “rights.” State legislation, conscription, and taxation are examples of violations, though many people aren’t consciously aware of them as such or else believe them to be an inevitable or necessary evil (“death and taxes” etc.). State actions are feasible precisely because of this mass cognitive dissonance.

Territorial claims by States are not at all logically or empirically analogous to private property rights. This argument is not frequently made because it is uncontroversially incorrect. One should be able to tell the difference after having read this post. See the last stick-dot figure. Just in case…

Individual property rights

  • property rights are ideologically interpersonal
  • property rights are assigned to specific people qua people based on standards applied to everyone else as well
  • property rights function as mutually recognized commitment strategies to those standards
  • property rights emerge from individual actions based on mutual benefit to self-perceived interests
  • property rights are necessarily logically presupposed by legal/moral concepts like theft and are implied by fundamental human rights
  • property rights are defined and reciprocally enforced by the real-time, indirect interactions of everyone around you
  • property rights in land are acquired almost universally by something akin to the homestead principle or “first personal possession” (and the evidence indicates this is instinctual: the “property instinct”)

vs.

The territorial claims of States

  • State territorial claims are ideologically suprapersonal
  • State territories are assigned only to a centralized subgroup institution (via mass ideological projection onto a single suprapersonal entity) which thus has a static monopoly
  • State territorial claims are second-order to property rights—private property still exists and functions within State territories and private property predates State territories
  • States emerge bottom-up from mass ideological projection of legitimacy onto a single, centralized, subgroup institution which is then controlled by a few humans who imposes legislation and taxation top-down, denying the emergent order in human society… I.E. States are emergent (like everything), but not emergent from the relevant system of individual interaction based on self-perceived interests
  • State territorial claims necessarily involve taxation by the subgroup of private property holders by empirical definition, private property obviously does not
  • State territories are acquired by whatever means anyone can use to gain control of the mass ideologically created centralized State
  • State territories cover masses of already-privately owned land and unowned land that the humans controlling the State at any given have never possessed

The State is the unspoken subject of almost all political debate.

Whenever someone makes a political argument for moregovernment intervention in human society, they are advocating replacing the bottom-up emergent order of individual human interaction with more top-down impositions by the State. This is problematic. The State is not in fact superhuman and the humans who control the State at any given time do not have the incentives or the knowledge required to order the rest of society efficiently.

In historical epochs when the State has succeeded in usurping significant property rights – under communism, for example – it has thus meant mass human suffering. But not even ideologically communist States like the Soviet Union, Maoist China, or North Korea which explicitly wished to “abolish private property” actually succeeded in abolishing property rights. Property rights emerged underground despite the State. And fortunately for us, they always will.

“Tagged: #history #humanity #society #property #rights #versus #the #State #liberty #freedom #economy #market #communism #hunter-gatherer



Velozo2

Quando conheci o trabalho dos Acadêmicos de Milton Friedman, achei muito interessante a riqueza das influências utilizadas como base para as composições, desde o samba-jazz Jorge Ben até o bolero e o maxixe. É verdade que o samba, nascido nos morros do Rio de Janeiro e maturado pela genialidade de Pixinguinha e seu período absorvendo o jazz e o bluegrass nos EUA, não existiria sem os diversos estilos afro-americanos desenvolvidos ao longo dos séculos de mixigenação cultural no continente americano.

As letras também me interessaram pela abordagem leve e humorística de um assunto sinuoso como a economia-política, debochando elegantemente de autoridades e seus discursos populistas. O pouco que conheço do assunto me fez entender que houve pesquisa aprofundada nos temas, não é resultado de meros clichês e slogans. A junção dessas qualidades me despertou a curiosidade para saber mais sobre quem estava por trás disso, e vi então que se tratava do trabalho de Jopa Velozo, músico brasileiro radicado em Boston.

Busquei mais sobre seu trabalho e sua trajetória: nascido e criado no Rio de Janeiro, estudou com luminares do calibre de Alex Carvalho, Lupa Santiago, Sizão Machado, Bob Wyatt e Daniel D’alcantara, indo mais tarde viver intensamente a cena jazz paulista durante alguns anos. Lá fundou, tocou guitarra, compôs e arranjou para o excelente Quarteto Dois e Dois e para o Bolaoito Octeto, mergulhando fundo na mesma viagem musical empreendida quase um século antes pelo mítico Pixinguinha.

Mas, obviamente, a passagem do tempo mudou e enriqueceu a música, e a influência mais marcante nas composições e arranjos de Velozo me parecem vir de outro luminar brasileiro do samba e do jazz, o saudoso maestro Moacir Santos: quando ouvimos a sessão de ritmo, somos transportados a um terreiro religioso africano e o sopro representa a voz de um sacerdote contando a história oral de seu povo. Em outras peças é o balanço do mar que nos leva calmamente até a praia. Essa influência marcante do samba é também aquilo que mais diferencia o jazz brasileiro de outras escolas.

Velozo partiu então de Sampa para buscar uma educação formal na famosa Berklee College of Music, e esteve sempre nas listas dos melhores alunos até sua formatura. Foi durante sua formação que fundou o Acadêmicos de Milton Friedman, e vem se direcionando para o rock setentista com o projeto Stone Giant. Vale a pena ficar ligado à evolução desse músico tão diversificado quanto talentoso, unindo técnica e inspiração em peças que transcendem a simples adição de nota atrá de nota musical: estamos falando da verdadeira arte musical de elevar a alma através dos sons.

Velozo1


Ambientalista renomado e respeitado no mundo inteiro vai ao congresso americano para criticar duramente o alarmismo e a falta de rigor científico do relatório de 2014 do IPCC, a instituição máxima governamental de pesquisa sobre o clima.

Retirado de http://science.house.gov/sites/republicans.science.house.gov/files/documents/HHRG-113-SY-WState-DBotkin-20140529.pdf

 

DANIEL B. BOTKIN

Since 1968 I have published research on theoretical global warming, its potential ecological effects, and the implications for people and biodiversity. I have spent my career trying to help conserve our environment and its great diversity of species. In doing so I have always attempted to maintain an objective, intellectually honest, scientific approach in the best tradition of scientific endeavor. I have, accordingly, been dismayed and disappointed in recent years that this subject has been converted into a political and ideological debate. I have colleagues on both sides of the debate and believe we should work together as scientists instead of arguing divisively about preconceived, emotionally based “positions.” I hope my testifying here will help lead to a calmer, more rational approach to dealing with not only climate change but also other major environmental problems. The IPCC 2014 report does not have this kind of rational discussion we should be having. I would like to tell you why.

The IPCC 2014 report is actually a series of reports, each long, complex in organization, and extensive in scope. Since it’s not possible to discuss the Summary Reports for Policymakers in detail today, I will highlight some of my thoughts for you here as they relate to the reports, hoping to bring a saner, more sober approach to this highly charged issue.

To characterize where we are with this report and this issue, I would like to quote James R. Schlesinger, the first U.S. Energy Secretary, who said: “We have only two modes — complacency and panic.”—commenting on the country’s approach to energy (1977)

Now to my major points.

1. I want to state up front that we have been living through a warming trend driven by a variety of influences. However, it is my view that this is not unusual, and contrary to the characterizations by the IPCC and the National Climate Assessment, these environmental changes are not apocalyptic nor irreversible.

2. My biggest concern is that both the reports present a number of speculative, and sometimes incomplete, conclusions embedded in language that gives them more scientific heft than they deserve. The reports are “scientific-sounding” rather than based on clearly settled facts or admitting their lack. Established facts about the global environment exist less often in science than laymen usually think.

3. HAS IT BEEN WARMING? Yes, we have been living through a warming trend, no doubt about that. The rate of change we are experiencing is also not unprecedented, and the “mystery” of the warming “plateau” simply indicates the inherent complexity of our global biosphere. Change is normal, life on Earth is inherently risky; it always has been. The two reports, however, makes it seem that environmental change is apocalyptic and irreversible. It is not.

4. IS CLIMATE CHANGE VERY UNUSUAL? No, it has always undergone changes.

5. ARE GREENHOUSE GASES INCREASING? Yes, CO2 rapidly.

6. IS THERE GOOD SCIENTIFIC RESEARCH ON CLIMATE CHANGE? Yes, a great deal of it.

7. ARE THERE GOOD SCIENTISTS INVOLVED IN THE IPCC 2014 REPORT?Yes, the lead author of the Terrestrial (land) Ecosystem Report is Richard Betts, a coauthor of one my scientific papers about forecasting effects of global warming on biodiversity.

8. ARE THERE SCIENTIFICALLY ACCURATE STATEMENTS AT PLACES IN THE REPORT? Yes, there are.

9. What I sought to learn was the overall take-away that the reports leave with a reader. I regret to say that I was left with the impression that the reports overestimate the danger from human-induced climate change and do not contribute to our ability to solve major environmental problems. I am afraid that an “agenda” permeates the reports, an implication that humans and our activity are necessarily bad and ought to be curtailed.

10. ARE THERE MAJOR PROBLEMS WITH THE REPORTS? Yes, in assumptions, use of data, and conclusions.

11. My biggest concern about the reports is that they present a number of speculative, and sometimes incomplete, conclusions embedded in language that gives them more scientific heft than they deserve. The reports, in other words, are “scientific- sounding,” rather than clearly settled and based on indisputable facts. Established facts about the global environment exist less often in science than laymen usually think.

12. The two reports assume and/or argue that the climate warming forecastby the global climate models is happening and will continue to happen andgrow worse. Currently these predictions are way off the reality (Figure 1).Models, like all scientific theory, have to be tested against real-world observations. Experts in model validation say that the climate models frequently cited in the IPCC report are little if any validated. This means that as theory they are fundamentally scientifically unproven.

Figure 1: Climate model forecasts compared to real world temperatureobservations (From John Christy, University of Alabama and Alabama State Climatologist. Reproduced with permission from him.)

clip_image002

13. The reports suffers from the use term “climate change” with twomeanings: natural and human-induced. These are both given as definitionsin the IPCC report and are not distinguished in the text and thereforeconfuse a reader. (The Climate Change Assessment uses the term throughout including its title, but never defines it.) There are places in the reports where only the second meaning—human induced—makes sense, so that meaning has to be assumed. There are other places where either meaning could be applied.

In those places where either meaning can be interpreted, if the statement is assumed to be a natural change, then it is a truism, a basic characteristic of Earth’s environment and something people have always know and experienced. If the meaning is taken to be human-caused, then in spite of the assertions in the report, the available data do not support the statements.

14. Some of the reports conclusions are the opposite of those given in articles cited in defense of those conclusions.

For example, the IPCC 2014 Terrestrial Ecosystem Report states that “there is medium confidence that rapid change in the Arctic is affecting its animals. For example, seven of 19 subpopulations of the polar bear are declining in number” citing in support of this an article by Vongraven and Richardson, 2011. That report states the contrary, that the “‘decline’ is an illusion.

In addition, I have sought the available counts of the 19 subpopulations. Of these, only three have been counted twice; the rest have been counted once. Thus no rate of changes in the populations can be determined. The first count was done 1986 for one subpopulation.1

The U. S. Marine Mammal Commission, charged with the conservation of this species, acknowledges “Accurate estimates of the current and historic sizes of polar bear stocksare difficult to obtain for several reasons–the species‘ inaccessible habitat, the movementof bears across international boundaries, and the costs of conducting surveys.”2

According to Dr. Susan Crockford, “out of the 13 populations for which some kind of dataexist, five populations are now classified by the PBSG [IUCN/SSC Polar Bear Specialist Group] as ‘stable’ (two more than 2009), one is still increasing, and three have beenupgraded from ‘declining’ to ‘data deficient’. . . . That leaves four that are still considered ‘declining’‐ two of those judgments are based primarily on concerns of overhunting, and one is based on a statistically insignificant decline that may not be valid and is being reassessed (and really should have been upgraded to ‘data deficient’). That leaves only one population – Western Hudson Bay – where PBSG biologists tenaciously blame global warming for all changes to polar bear biology, and even then, the data supporting that conclusion is still not available.3

Polar Bear Status (Source: Polar Bear Science Website.)

clip_image004 clip_image006

15. Some conclusions contradict and are ignorant of the best statistically valid observations. For example, the Terrestrial Ecosystems Report states that “terrestrial and freshwater ecosystems have sequestered about a quarter of the carbon dioxide emitted to the atmosphere by human activities in the past three decades (high confidence).” I have done the first statistically valid estimate of carbon storage and uptake for any large area of Earth’s land, the boreal forests and eastern deciduous forest of North America, and subtropical forests in Queensland, Australia. The estimates of carbon uptake by vegetation used by IPCC and in major articles cited by the reports are based on what can best be called “grab samples,” a relatively small number of studies done at a variety of times using a variety of methods, mainly in old- growth areas. The results reported by IPCC overestimate carbon storage and uptake by as much as 300 percent.4

16. The report for policy makers on Impacts, Adaptation, and Vulnerability repeats

the assertion of previous IPCC reports that “large fraction of species” face “increase extinction risks” (p15). Overwhelming evidence contradicts this assertion. And it has been clearly shown that models used to make these forecasts, such as climate envelope models and species-area curve models, make incorrect assumptions that lead to erroneous conclusions, over-estimating extinction risks.

Surprisingly few species became extinct during the past 2.5 million years, a period encompassing several ice ages and warm periods.5 Among other sources, this is based on information in the book Climate Change and Biodiversity edited by Thomas Lovejoy, one of the leaders in the conservation of biodiversity.6 The major species

known to have gone extinct during this period are 40 species of large mammals in North America and Northern Europe. (There is a “background” extinction rate for eukaryotic species of roughly one species per year.)

17. THE REPORT GIVES THE IMPRESSION THAT LIVING THINGS ARE FRAGILE AND RIGID, unable to deal with change. The opposite is to case. Life is persistent, adaptable, adjustable.

18. STEADY-STATE ASSUMPTION: There is an overall assumption in the IPCC 2014 report and the Climate Change Assessment that all change is negative and undesirable; that it is ecologically and evolutionarily unnatural, bad for populations, species, ecosystems, for all life on planet Earth, including people. This is the opposite of the reality: The environment has always changed and is always changing, and living things have had to adapt to these changes. Interestingly, many, if not most, species that I have worked on or otherwise know about require environmental change.7

19. The summary for policy makers on Impacts, Adaptation, and Vulnerability makes repeated use of the term “irreversible” changes. A species going extinct is irreversible, but little else about the environment is irreversible. The past confirms this. Glaciers have come and gone repeatedly. The Northwest Passage of North America has gone and come again. The average temperature has greatly exceeded the present and forecasted and has declined only to rise again.

a. Implicit in this repeated use of irreversible is the belief that Earth’s environment is constant — stable, unchanging — except when subjected to human actions.

This is obviously false from many lines of evidence, including the simple

experience of all people who have lived before the scientific-industrial age and those who live now and so such work as farm, manage rivers, wildlife and forests.

20. The extreme overemphasis on human-induced global warming has taken our attention away from many environmental issues that used to be front and center but have been pretty much ignored in the 21st century. The Terrestrial report in a sense acknowledges this, for example by stating: “Climate stresses occur alongside other anthropogenic influences on ecosystems, including land-use changes, nonnative species, and pollution, and in many cases will exacerbate these pressures (very high confidence).”

clip_image007

21. Do the problems with these reports mean that we can or should abandon any concerns about global warming or abandon any research about it?Certainly not, but we need to put this issue within an appropriate priority with other major here-and-now environmental issues that are having immediate effects.

22. The concerns I have mentioned with the IPCC apply as well to the White House’s National Climate Assessment. I reviewed and provided comments on the draft White House’s National Climate assessment and, unfortunately, it appears that these issues have not been addressed in the final assessment. For example, I stated:

“The executive summary is a political statement, not a scientific statement. It is filled with misstatements contradicted by well-established and well-known scientific papers.”

“Climate has always affected people and all life on Earth, so it isn’t new to say it is ‘already affecting the American people.’ This is just a political statement.”

“It is inappropriate to use short-term changes in weather as an indication one way or another about persistent climate change.”

WHAT HAS GONE WRONG, AND HOW TO FIX IT

1. Rather than focus on key, specific and tractable aspects of climate-change science, the long-term approach throughout the 20th century was to try to create de nova a complete model of the climate.

2. This approach has been taken despite a lack of focus on monitoring key variables over time in statistically and scientifically valid ways, e. g. carbon sequestering by forests; polar bear population counts. As a result, there is an odd disconnect between theory and observation. The attempt to create complete models of every aspect of climate has meant that many factors had to be guessed at, rather than using the best scientific methods. Too many guesses, too little checking against real, observed effects.

3. The IPCC reports are the result of a very large number of people doing long reviews of the scientific literature. This easily leads to people being so overburdened that they misinterpret specific papers, fail to understand where the major observational gaps are, and have trouble making an accurate list of citations and all sources of information. The fundamental IPCC and White House Climate Change Assessment approach has been to gather a huge number of scientists from a large number of disciplines, on the assumption that a kind of crowd approach to what can be agreed on is the same as true scientific advance. While this might seem a reasonable and effective approach, there is some danger in relying on this “crowd-sourced” model of information sharing. Groups of people, particularly when credentialed “experts” are involved, are very prone to a condition called an “information cascade” in which error is compounded by group think, assumptions become unchallenged “fact” and observations play second fiddle to unchallenged models. The excellent scientists involved with the IPCC reports are no less prone to this than the excellent scientists who relied on Aristotelian models of a geocentric universe. Entrenched beliefs are hard to extricate, even amongst supposedly rational thinkers. This is probably in part responsible for the problems listed with the White House Climate Assessment report’s table of Biological Effects, discussed in my document reviewing that report.

4. What a scientist discovers is different from what a scientist says. The first is science, the second is opinion. Have small groups of scientists work on this problem, no more than can easily argue with one another, that is less than 20 and preferably even smaller, representing the primary disciplines. Divide the problem into areas, rather than try to answer all questions in one analysis. I have used this approach in my own work and found it to be successful.8, 9

5. The desire to do good has ironically overridden the desire to do the best science.

6. Under the weight of this kind of crowd rule and approach, some specific alternative approaches to the science of climate change, have not been allowed to rise to the surface.

7. Among the approaches that would improve climate science:

a. Return to the former reliance on science done by individuals and small groups with a common specific interest and focus.

b. Change the approach from trying to make a complete, definitive model of

every aspect of climate to a different level. See kinds of models that explore specific possibilities and phenomena.

c. Get out of the blame game. None of the above suggestions can work as long as global warming remains a moral, political, ideologically dominated topic, with scientists pushed into, or at least viewed as, being either for or against a single point of view.

9. We need to focus again on major environmental Issues that need ourattention now (see the list above).

10. ARE THERE EXAMPLES OF THE KIND OF RESEARCH I BELIEVE WE NEED MORE OF? YES.

a. NASA Carbon Monitoring System (CMS)

b. Hubbard Brook Ecosystem Study

c. Whooping Crane monitoring, e.g. of an endangered species

d. In-place monitoring on carbon flux, being done by the USGS in the Great Cypress Swamp, Florida.

e. Many others.

NOTES

1. IUCN Summary of polar bear population status per 2013http://pbsg.npolar.no/en/status/status‐table.html

2. http://www.mmc.gov/species/pdf/ar2000polarbear.pdf P. 91.

3. Crockford, S., 2014. Polar Bear Science websitehttp://polarbearscience.com/2014/03/20/polar‐bear‐status‐changes‐in‐2013‐deconstructed‐with‐a‐map‐to‐the‐g ood‐news/

4. Botkin, D. B. and L. Simpson, 1990, Biomass of the North American Boreal Forest: A step toward accurate Global Measures: Biogeochemistry 9:161-174;Botkin, D. B., Simpson, L. G., and H. J. Schenk, 1992, Estimating Biomass, Science Letters. Vol. 257, No. 5067. (Jul. 10, 1992), pp. 146-147; Botkin, D. B., Simpson, L. G., and R. A. Nisbet, 1993, Biomass and Carbon Storage of the North American Deciduous Forest, Biogeochemistry 20: 1-17;Botkin, D. B., Ngugi, M.R., D. Doley (submitted) “Statistically Valid Estimates and Accurate Forecasts of Forest Biomass and Carbon Sequestration: A Forty-Five Year Quest.” Keynote speech at IUFRO Forest Biomass Conference, October 7, 2013, to be published in Drewno (Wood) Journal.

5. Botkin, D. B., Henrik Saxe, Miguel B. Araújo, Richard Betts, Richard H.W. Bradshaw, Tomas Cedhagen, Peter Chesson, Margaret B. Davis, Terry P. Dawson, Julie Etterson, Daniel P. Faith, Simon Ferrier, Antoine Guisan, Anja Skjoldborg Hansen, David W. Hilbert, Craig Loehle, Chris Margules, Mark New, Matthew J. Sobel, and David R.B. Stockwell. (2007). “Forecasting Effects of Global Warming on Biodiversity.” BioScience 57(3): 227‐236.

6. Lovejoy, T. E., Lee Hannah, editors. (2005). Climate Change and Biodiversity. New Haven, Yale University Press.

7. Botkin, D. B., 2012, The Moon in the Nautilus Shell: Discordant Harmonies Reconsidered

(Oxford University Press, New York, hardback and ebook, September 14, 2012).

8. Botkin, D.B., W.S.Broecker, L. G. Everett, J. Shapiro, and J. A. Wiens, 1988, The Future of Mono Lake, California Water Resources Center, University of California, Riverside, Report #68.

9. Botkin, D. B., Henrik Saxe, Miguel B. Araújo, Richard Betts, Richard H.W. Bradshaw, Tomas Cedhagen, Peter Chesson, Terry P. Dawson, Julie Etterson, Daniel P. Faith, Simon Ferrier, Antoine Guisan, Anja Skjoldborg Hansen, David W. Hilbert, Craig Loehle, Chris Margules, Mark New, Matthew J. Sobel, and David R.B. Stockwell. 2007 “Forecasting Effects of Global Warming on Biodiversity.” BioScience 57(3): 227-236.

REVIEW OF Climate Change Impacts in the United States: The Third National Climate Assessment. U.S. Global Change Research Program

Jerry M. Melillo, Terese (T.C.) Richmond, and Gary W. Yohe, Eds. 841 pp. doi:10.7930/J0Z31WJ2.

By Daniel B. Botkin: May 29, 2014

[Note regarding my connections with Jerry M. Melillo, one of the three primary editors of this report: When I was on the faculty of the Yale School of Forestry and Environmental Studies, Jerry Melillo was a graduate student working on his doctorate and we interacted frequently.

Beginning in 1975, Jerry Melillo and I worked at the Ecosystems Center, Marine Biological Laboratory, Woods Hole, MA, and we published four scientific papers together, listed at the end of this document.1

COMMENTS ON THE ASSESSMENT GENERAL COMMENTS:

The opening statement of the Assessment (p.1), reproduced here, is characteristic of the entire Assessment in that it violates one of the basic principles of good climatology — never use short-term weather changes as proof of climate change. Climatologists I have worked with over the decades have said this repeatedly. In 1962, when I was a graduate student at the University of Wisconsin working under a science writing fellowship, I spoke with Reed Bryson, said to be the father of the International Geophysical Year and the person who persuaded Richard Keeling to begin measuring atmospheric carbon dioxide concentration on Mauna Loa, Hawaii. At that time Earth had been undergoing a global cooling since about 1940. At first Professor Bryson said “if present trends continue, we are entering a new ice age.” But when I drafted a press release that quoted him so, he thought about it carefully and told me that we could not make that statement, because this was just a short- term weather event.

In the 1980s, I worked closely with climatologist Stephen Schneider and we often gave talks at the same events. Steve, one of the leaders of the modern concern about a possible human-induced global warming, also said that you should never use short-term weather events to infer climate change. I agreed with these experts, and therefore was taken aback by the overall tone of the new White House Climate Change Assessment, which begins: “Climate change, once considered an issue for a distant future, has moved firmly into the present. Corn producers in Iowa, oyster growers in Washington State, and maple syrup producers in Vermont are all observing climate-related changes that are outside of recent experience. So, too, are coastal planners in Florida, water managers in the arid Southwest, city dwellers from Phoenix to New York, and Native Peoples on tribal lands from Louisiana to Alaska. This National Climate Assessment concludes that the evidence of human-induced climate change continues to strengthen and that impacts are increasing across the country.

Based on what my climatologist colleagues had always told me, the Assessment should

have begun instead by stating: “Corn producers in Iowa, oyster growers in Washington State, and maple syrup producers in Vermont are all observing weather-related changes” outside of their personal recent experience. So, too, are coastal planners in Florida, water managers in the arid Southwest, city dwellers from Phoenix to New York, and Native peoples on tribal lands from Louisiana to Alaska.”

The Assessment concludes that opening paragraph by stating: This National Climate Assessment concludes that the evidence of human-induced climate change continues to strengthen and that impacts are increasing across the country.

Americans are noticing changes all around them. Summers are longer and hotter, and extended periods of unusual heat last longer than any living American has ever experienced. Winters are generally shorter and warmer. Rain comes in heavier downpours. People are seeing changes in the length and severity of seasonal allergies, the plant varieties that thrive in their gardens, and the kinds of birds they see in any particular month in their neighborhoods (p.1).

These opening paragraphs and several that follow directly communicate to the reader, both lay and professional, that human-induced global warming in an immediate disaster. For example:

Other changes are even more dramatic. Residents of some coastal cities see their streets flood more regularly during storms and high tides. Inland cities near large rivers also experience more flooding, especially in the Midwest and Northeast. Insurance rates are rising in some vulnerable locations, and insurance is no longer available in others. Hotter and drier weather and earlier snowmelt mean that wildfires in the West start earlier in the spring, last later into the fall, and burn more acreage. In Arctic Alaska, the summer sea ice that once protected the coasts has receded, and autumn storms now cause more erosion, threatening many communities with relocation.

Scientists who study climate change confirm that these observations are consistent with significant changes in Earth’s climatic trends. Long-term, independent records from weather stations, satellites, ocean buoys, tide gauges, and many other data sources all confirm that our nation, like the rest of the world, is warming. Precipitation patterns are changing, sea level is rising, the oceans are becoming more acidic, and the frequency and intensity of some extreme weather events are increasing (p. 1).

To be scientifically accurate, these paragraphs should instead have been written (my changes noted by underlining): Other weather changes are even more dramatic. Residents of some coastal cities see their streets flood more regularly during storms and high tides. Inland cities near large rivers also experience more flooding, especially in the Midwest and Northeast. Insurance rates are rising in some vulnerable locations, and insurance is no longer available in others. Hotter and drier weather and earlier snowmelt mean that wildfires in the West start earlier in the spring, last later into the fall, and burn more acreage. In Arctic Alaska, the summer sea ice that once protected the coasts has receded, and autumn storms now cause more erosion, threatening many communities with relocation.

Scientists who study weather and climate change point out that short-term, includingseveral decades and longer, changes in weather do not confirm that these observations are consistent with significant changes in Earth’s climatic trends.

These opening statements are directly followed by: Many lines of independent evidence demonstrate that the rapid warming of the past half-century is due primarily to human activities. The observed warming and other climatic changes are triggering wide-ranging impacts in every region of our country and throughout our economy. Some of these changes can be beneficial over the short run, such as a longer growing season in some regions and a longer shipping season on the Great Lakes. But many more are detrimental, largely because our society and its infrastructure were designed for the climate that we have had, not the rapidly changing climate we now have and can expect in the future. In addition, climate change does not occur in isolation. Rather, it is superimposed on other stresses, which combine to create new challenges (p. 1)The assertions in this paragraph are based on the forecasts from climate models and from temperature records. However, Figure 1 shows that the climate models greatly exaggerate the rate and amount of temperature change and are not making forecasts that come even close to fitting the data. Furthermore, Figure 1 also shows that the average Earth temperature in the past 30 years has changed very little if at all, contradicting the assertions on the first page of the Assessment.

Figure 1: Climate model forecasts compared to real world temperature observations (From John Christy, University of Alabama and Alabama State Climatologist. Reproduced with permission from him.)

clip_image008

The Assessment further attributes the supposed climatic warming to human activities that are releasing greenhouse gases, especially carbon dioxide, into the atmosphere. Therefore the claimed disaster is our fault. But recent evidence shows that temperature change is not tracking the increase in carbon dioxide. The gas has increased from 370 ppm to just over 400ppm, 8 percent, between year 2000 and year 2014 (Figure 2), while the temperature has changed either only slightly or not at all, depending on how one does the analysis (Figure 3). Instead, temperature change tracks closely changes in the energy output from the sun (Figure 4).

Figure 2. Mauna Loa Observatory COmeasurements

clip_image010

Figure 3. Earth Surface Temperature Departure from 1950-1980 Average

clip_image012

Figure 4. Correlation Between Solar Irradiance and Poleward flux of energy.

Thus the Assessment’s early statements about the dangerous climate change have to do with a hypothetical, not a real, world.

clip_image014

The current evidence from scientific observations show that Earth’s temperature has not changed very much, if at all, since the start of the new century, while carbon dioxide has increased considerably.

Given these facts, the basic opening assertions of the new U.S. Climate Change Assessment are about a hypothetical world, not a real world, and must be taken as a “what if” rather than “what is”. Therefore the dire consequences forecast in the Assessment cannot be taken as reliable, nullifying many, if not most, of the ecological and biological implications the Assessment makes heavy use of.

The time available to write and the space available to publish as written testimony prevent a comprehensive, detailed review of the entire White House Climate Change Assessment. As a result, I have used as an example of the kinds of problems throughout the Assessment the table appearing on pages 204-5, Biological Responses To climate Change. As an ecologist, I have taken that table and reorganized it. This reorganization follows.

Although the document is titled “Climate Change Assessment,” the term “climate change” is not defined and is in fact used with two meanings, natural and human-induced. There are places in the Assessment where only the second meaning makes sense, so that meaning has to be assumed. There are other places where either meaning could be applied. In those places where either meaning can be interpreted, if the statement is assumed to be a natural change, then it is a truism, a basic characteristic of Earth’s environment and something people have always known and experienced. If the meaning is taken to be human-caused, then in spite of the assertions in the Assessment, the available data do not support the statements.

For example, the Assessment’s section titled CLIMATE CHANGE AND THE AMERICAN PEOPLE begins with the statement: Climate change, once considered an issue for a distant future, has moved firmly into the present. Corn producers in Iowa, oyster growers in Washington State, and maple syrup producers in Vermont are all observing climate-related changes that are outside of recent experience.

If this is to be interpreted as natural, then people have frequently in history experienced

“climate-related changes that are outside of [their] recent experiences,” as the Medieval Warming and Little Ice Age demonstrate,2, 3, 4 and therefore it is not unusual nor unexpected in ordinary life. If this is to be interpreted to be human-induced, then the evidence just discussed demonstrates that this kind of change cannot be attributed to human actions and therefore the statement is false.

ANALYSIS OF THE CLIMATE CHANGE IMPACTS ASSESSMENT TABLE OF

ECOLOGICAL EFFECTS (Assessment’s pages 204-205)

Biological responses to climate change

The Assessment presents a list of 30 biological responses to climate change. Since this is my particular area of expertise, I have analyzed this list and sorted the items into the following categories: Where the Assessment is wrong based on my understanding (10 items); Improvements (12 items); Declines (which can be taken as worsening) (No items); Predicted from Climate Models, Therefore Not Fact, especially given the failure of climate models to forecast with any reliability Earth’s increase in temperature since the 1990s (see figure 1) (3 items); and Unlikely or Unsupported Statement (5 items). Within the context of the Assessment, this table comes across as meaning to demonstrate more very negative effects of a human-induced global warming, but since upon analysis none of the 30 appears to be a legitimately supported decline that might occur under a hypothetical global warming or have been directly observed, this table in fact is an argument against the overall message of the Assessment.

(The number that appears at the beginning of each entry is the number in the Assessment’s list. The numbers following each of the Assessment’s entry are the citation number as listed in the Assessment. The Assessment’s statements are in italics; my comments appear in plain font.)

ASSESSMENT IS WRONG

1. 21. Seedling survival of nearly 20 resident and migrant tree species decreased during years of lower rainfall in the Southern Appalachians and the Piedmont areas, indicating that reductions in native species and limited replacement by invading species were likely under climate change.134 Since the climate models are admittedly weak about changes in rainfall, this statement has no relevance to purported human-induced global warming.

2. 27. Water temperature data and observations of migration behaviors over a 34-year time period showed that adult pink salmon migrated earlier into Alaskan creeks, and fry advanced the timing of migration out to sea. Shifts in migration timing may increase the potential for a mismatch in optimal environmental conditions for early life stages, and continued warming trends will likely increase pre-spawning mortality and egg mortality rates.87 Salmon have evolved and are adapted to environmental change.

3. 3. Conifers in many western forests have experienced mortality rates of up to 87% from warming-induced changes in the prevalence of pests and pathogens and stress from drought.118 Important causes of the mortality of trees in western forests are: fire suppression, which promotes insect and disease outbreaks, and from introduced (invasive) insects and diseases.

4. 8. Warmer and drier conditions during the early growing season in high-elevation

habitats in Colorado are disrupting the timing of various flowering patterns, with potential impacts on many important plant-pollinator relationships.77 “Disrupting” is a politically loaded term. The scientific term would be “changed” and this is a good sign, showing the adaptability of species to changing environments.

5. 12. Variation in the timing and magnitude of precipitation due to climate change was found to decrease the nutritional quality of grasses, and consequently reduce weight gain of bison in the Konza Prairie in Kansas and the Tallgrass Prairie Preserve in Oklahoma.124. Results provide insight into how climate change will affect grazer population dynamics in the future. This is stated in a way that is not open to scientific evaluation. No doubt lower rainfall has negative effects, but the statement is “variation.” In fact, the publication cited (Craine et al., 2008)5 states that “Greater late-summer precipitation increased bison weight gain . . . “greater midsummer precipitation decreased weight gain.” This is a scientifically interesting result for those focused on wildlife in grasslands, but it is neither a negative nor positive in terms of global warming, because the forecasting models are weakest in forecasting rainfall even annually, let alone seasonally. Therefore these results cannot be taken as negative (nor positive) effects of a global rise in average temperature.

6. 10. Cutthroat trout populations in the western U.S. are projected to decline by up to 58%, and total trout habitat in the same region is projected to decline by 47%, due to increasing temperatures, seasonal shifts in precipitation, and negative interactions with nonnative species.8. Stresses on Cutthroat extend considerably beyond climate change and have to do with fishing intensity, water diversions and other habitat changes, such as competition from introduced, invasive species such as lake trout and rainbow trout.6

7. 28. Warmer springs in Alaska have caused earlier onset of plant emergence, and decreased spatial variation in growth and availability of forage to breeding caribou. This ultimately reduced calving success in caribou populations.138 The implication is that warming will necessarily have a negative effect on caribou, but the paper cited (Post et al., 2008) actually is much more cautious, stating “it is highly relevant to herbivore ecology to consider the manner in which warming will alter spatial patterns of plant phenology at more immediate spatial scales than that of the regional landscape. The paper concludes, cautiously: “ Large herbivores prefer newly emergent forage, presumably owing to the high digestibility and nutrient content of young plant tissues . . . future warming could conceivably impair the ability of herbivores such as caribou to forage selectively, with adverse consequences for their productivity.We suggest, therefore, that it is highly relevant to herbivore ecology to consider the manner in which warming will alter spatial patterns of plant phenology at more immediate spatial scales than that of the regional landscape.”7

There is again an inherent assumption that a steady-state between living things and climate is natural and necessary for a species’s persistent. Wildlife population can and do adjust to changes, but this can take some time. See the examples of current adjustments, which I have added below this table. Give the populations a little time to adjust.

8. 26. Changes in female polar bear reproductive success (decreased litter mass and numbers of yearlings) along the north Alaska coast have been linked to changes in body

size and/or body condition following years with lower availability of optimal sea ice habitat.137. There is evidence that polar bears are adjusting by feeding more on terrestrial prey. Contrary to the publicity about polar bears, there is little information demonstrating any statistically, scientifically valid decline in polar bear populations. I have sought the available counts of the 19 subpopulations. Of these, only three have been counted twice; the rest have been counted once. Thus no rate of change in the population is possible. The first count was done 1986 for one subpopulation.8

9. 7. Quaking aspen-dominated systems are experiencing declines in the western U.S. after stress due to climate induced drought conditions during the last decade.122 Anderegg,

W. R. L., J. M. Kane, and L. D. L. Anderegg, 2012: Consequences of widespread tree mortality triggered by drought and temperature stress. Nature Climate Change, 3, 30-36, doi:10.1038/nclimate1635. Given the failure of the climate models to predict temperature change and the observed lack of a significant recent rise in temperature, it is incorrect to refer to this as a “climate induced’ drought. Moreover, a thousand year tree- ring study shows that deep droughts are characteristic of California. Meteorologist Martin P. Hoerling wrote on March 8,2014 that “At present, the scientific evidence does not support an argument that the drought there is appreciably linked to human-induced climate change.” Hoerling is a research meteorologist, specializing in climate dynamics, at the Earth System Research Laboratory of the National Oceanic and Atmospheric Administration, and the White House’s National Climate Assessment cites many of Hoerling’s papers, including figure 20.4 “Longer Frost-free Season Increases Stress on Crops,” so his work is respected by the authors.

10. 9. Population fragmentation of wolverines in the northern Cascades and Rocky Mountains is expected to increase as spring snow cover retreats over the coming century.123 The paper cited, Dawson et al. (2011)9, does not mention wolverines. And contrary to making a highly negative statement, the paper states Populations of many species have persisted in situ at individual sites since the last glacial maximum (toleration) and many have undergone habitat shifts, moving short distances (1 to 10 km) to sites with different aspects, slopes, elevations, and other attributes as the environment changed. Migrations of 100 to 1000 km are well documented for many species.

IMPROVEMENTS

1. 2. Northern flickers arrived at breeding sites earlier in the Northwest in response to temperature changes along migration routes, and egg laying advanced by 1.15 days for every degree increase in temperature, demonstrating that this species has the capacity to adjust their phenology in response to climate change.117

2. 11. Comparisons of historical and recent first flowering dates for 178 plant species from North Dakota showed significant shifts occurred in over 40% of species examined, with the greatest changes observed during the two warmest years of the study.75

3. 14. Migratory birds monitored in Minnesota over a 40-year period showed significantly earlier arrival dates, particularly in short-distance migrants, indicating that some species are capable of responding to increasing winter temperatures better than

others.126.

4. 15. Up to 50% turnover in amphibian species is projected in the eastern U.S. by 2100, including the northern leopard frog, which is projected to experience poleward and elevational range shifts in response to climatic changes in the latter quarter of the century.127

5. 16. Studies of black ratsnake (Elaphe obsoleta) populations at different latitudes in Canada, Illinois, and Texas suggest that snake populations, particularly in the northern part of their range, could benefit from rising temperatures if there are no negative impacts on their habitat and prey.128

6. 17. Warming-induced hybridization was detected between southern and northern flying squirrels in the Great Lakes region of Ontario, Canada, and in Pennsylvania after a series of warm winters created more overlap in their habitat range, potentially acting to increase population persistence under climate change.129

7. 18. Some warm-water fishes have moved northwards, and some tropical and subtropical fishes in the northern Gulf of Mexico have increased in temperate ocean habitat.130 Similar shifts and invasions have been documented in Long Island Sound and Narragansett Bay in the Atlantic.131

8. 23. Over the last 130 years (1880-2010), native bees have advanced their spring arrival in the northeastern U.S. by an average of 10 days, primarily due to increased warming. Plants have also showed a trend of earlier blooming, thus helping preserve the synchrony in timing between plants and pollinators.135

9. 24. In the Northwest Atlantic, 24 out of 36 commercially exploited fish stocks showed significant range (latitudinal and depth) shifts between 1968 and 2007 in response to increased sea surface and bottom temperatures.55

10. 25. Increases in maximum, and decreases in the annual variability of, sea surface temperatures in the North Atlantic Ocean have promoted growth of small phytoplankton and led to a reorganization in the species composition of primary (phytoplankton) and secondary (zooplankton) producers.136

11. 29. Many Hawaiian mountain vegetation types were found to vary in their sensitivity to changes in moisture availability; consequently, climate change will likely influence elevation-related vegetation patterns in this region.139

12. 5. In response to climate-related habitat change, many small mammal species have altered their elevation ranges, with lower-elevation species expanding their ranges and higher-elevation species contracting their ranges.120

DECLINES

None.

PREDICTED FROM CLIMATE MODELS, THEREFORE NOT FACT

1. 30. Sea level is predicted to rise by 1.6 to 3.3 feet in Hawaiian waters by 2100, consistent with global projections of 1 to 4 feet of sea level rise (see Ch. 2: Our Changing Climate, Key Message 10). This is projected to increase wave heights, the duration of turbidity, and the amount of re-suspended sediment in the water; consequently, this will create potentially stressful conditions for coral reef communities.140

2. 6. Northern spotted owl populations in Arizona and New Mexico are projected to decline during the next century and are at high risk for extinction due to hotter, drier conditions, while the southern California population is not projected to be sensitive to future climatic changes.121

3. 19. Global marine mammal diversity is projected to decline at lower latitudes and increase at higher latitudes due to changes in temperatures and sea ice, with complete loss of optimal habitat for as many as 11 species by midcentury; seal populations living in tropical and temperate waters are particularly at risk to future declines.132

UNLIKELY CORRELATION OR UNSUPPORTED STATEMENT

1. 13. (a and b) Climatic fluctuations were found to influence mate selection and increase the probability of infidelity in birds that are normally socially monogamous, increasing the gene exchange and the likelihood of offspring survival. 125

2. 20. Higher nighttime temperatures and cumulative seasonal rainfalls were correlated with changes in the arrival times of amphibians to wetland breeding sites in South Carolina over a 30-year time period (1978-2008).133 Of course. The time period precedes any possible effect of human-induced global warming, and the effect is a truism. Rainfall will affect amphibians. Since the climate models are admittedly weak about changes in rainfall, this statement has no relevance to purported human-induced global warming.

3. 22. Widespread declines in body size of resident and migrant birds at a bird-banding station in western Pennsylvania were documented over a 40-year period; body sizes of breeding adults were negatively correlated with mean regional temperatures from the preceding year.85 The citation for this statement is NatureServe, cited 2012: Ecosystem- based Management Tools Network. [Available online at www.ebmtools.org]. This is a general website. I used its search option and did not find bird-banding nor Pennsylvania, nor any reference to a study of bird-banding in Pennsylvania.

4. 4. Butterflies that have adapted to specific oak species have not been able to colonize new tree species when climate change-induced tree migration changes local forest types, potentially hindering adaptation.119 . The citation 119 in the Assessment is Aumen, N.,

L. Berry, R. Best, A. Edwards, K. Havens, J. Obeysekera, D. Rudnick, and M. Scerbo, 2013: Predicting Ecological Changes in the Florida Everglades Under a Future Climate Scenario, 33 pp., U.S. Geological Survey, Florida Sea Grant, Florida Atlantic University. [Available online at

http://www.ces.fau.edu/climate_change/ecology-february-2013/PECFEFCS_Report.pdf]. I searched this report and found no mention of butterflies. This is probably an inadvertent editing error and the authors of the Assessment meant to refer to some other paper, but since this is the actual listing, the statement is unsupported.

5. 1. Mussel and barnacle beds have declined or disappeared along parts of the Northwest coast due to higher temperatures and drier conditions that have compressed habitable intertidal space.116. The citation listed is Burke, L., L. Reytar, M. Spalding, and A. Perry, 2011: Reefs at Risk Revisited. World Resources Institute, 130 pp. [Available online at http://pdf.wri.org/reefs_at_risk_revisited.pdf]. I searched this citation and did not find any mention of the words mussel or barnacle and the only mention of

“northwest” was “northwestern Hawaii.” Again this is likely a typographic error, but no other statement in the Assessment brought me to a relevant paper either, so the statement is unsupported by the report.

SOME OTHER EXAMPLES OF SPECIFIC STATEMENTS THAT ARE INCORRECT, OR OVERSTATED, OR LIMITED TO A FEW SPECIFIC CASES, OR OTHERWISE OF DOUBTFUL GENERALITY

Given the length of the just-released White House Climate Change Assessment and the time available to review it, I am able to consider only a few examples of other specific problems with the Assessment. I have focused on those that have to do with biological factors. These, however, are representative of problems throughout the Assessment. (Once again, the material in italics is quotes from the Assessment; the material in standard font is my text.)

Cores from corals, ocean sediments, ice records, and other indirect temperature measurements indicate the recent rapid increase of ocean temperature is the greatest that has occurred in at least the past millennium and can only be reproduced by climate models with the inclusion of human-caused sources of heat-trapping gas emissions (p. 559). As we saw earlier, the climate models are not coming even close to forecasting air temperature change, and therefore could not be expected to forecast accurately changes in ocean temperature, so it is not correct to say that something “can only be reproduced by climate models with the inclusion of human-caused sources of heat-trapping gas emissions.”

Warmer air and ocean temperatures are also causing the continued, dramatic decline in Arctic sea ice during the summer (panel D) (p. 560). We published a paper comparing Arctic sea ice extent in the nineteenth century, using historical records from ships hunting the bowhead whale, with those in recent times.10 In this paper we wrote, “Records from May indicate that

end-of-winter sea-ice extent in the Bering Sea during the mid-19th century closely resembled that in the 1972–82 data. However, the historical data reveal that sea ice was more extensive during summer, with the greatest difference occurring in July. This pattern indicates a later and more rapid seasonal retreat.” While the statement in the White House Climate Change Assessment is not contradicted by our paper, the limited statement (about the summer) in the Assessment once again paints a dire picture to the average reader, whereas our work suggests that in fact the sea ice extent recovered over winter, and changes in arctic sea ice are more complicated than the Assessment implies. The problem here is a matter of tone and communication.

Key Message 4: Seasonal Patterns: Timing of critical biological events—such as spring bud burst, emergence from overwintering, and the start of migrations—has shifted, leading to important impacts on species and habitats (p.201). The implication here is that this is entirely negative for life on Earth and will forever be so. But on the contrary, the environment has always changed and is always changing, and living things have had to adapt to these changes.

Interestingly, many, if not most, species that I have worked on or otherwise know about require environmental change, including salmon and sequoia trees. 11 12

Two of the longest studies of animals and plants in Great Britain show that at least some species are adjusting to recent weather changes in “timing of critical biological events, such as spring bud burst, emergence from overwintering.” For example, a 47-year study of the bird Parus major (one of the longest monitoring of any bird species) shows that these birds are responding behaviorally to recent weather changes. A species of caterpillar that is one of the main foods of this bird during egg-laying has been emerging earlier as spring temperatures have risen. In response, females of this bird species are laying their eggs an average of two weeks earlier.13

The second study, one of the longest experiments about how vegetation responds to temperature and rainfall, shows that long-lived small grasses and sedges are highly resistant to climate change. The authors of the study report that changes in temperature and rainfall during the past 13 years “have had little effect on vegetation structure and physiognomy.”14

Of course with any environmental change, not all species will do well. This has always been the case, and is consistent with Darwinian evolution and with ecological knowledge. Black guillemots (Cepphus grylle), birds that nest on Cooper Island, Alaska, illustrate that some species are having difficulties adjusting to climate change. (However, black guillemots in their entire range are not a threatened or endangered species. It is only their abundance on Cooper Island that has declined.)

The problem has been that temperature increases in the 1990s caused the sea ice to recede farther from the island each spring. The parent birds feed on Arctic cod found under the sea ice and must then return to the nest to feed their chicks, who are not yet mature enough to survive on their own. For the parents to do this, the distance from feeding grounds to nest must be less than about 30 km, but in recent years the ice in the spring has been receding as much as 500–800 km (300–500 mi) from the island. As a result, the black guillemots on the island have lost an important source of food. The birds have sometimes targeted sculpin, which is not as abundant as cod.15

But the real problem these Cooper Island birds face today is egg predation by polar bears. With less sea ice during this time period, bears have gone ashore and eaten young birds. In 2009, of the 180 guillemots that hatched, only one on the island fledged (flew away).The solution to this has been to build bear-proof nesting boxes for the birds. In 2010, bear-proof nesting boxes resulted in about 100 birds that fledged.

Two points emerge here. One is that living things do in fact often adjust to changes in the timing of climate events; if not, there would be little or no life on Earth. The second is that the real problem black guillemots face is here-and-now predation, which can be and has been dealt with and does not require a single focus on whether on not the climate change was human- induced.

Chapter 7, Forests, opens with this:

Key Messages

1. Climate change is increasing the vulnerability of many forests to ecosystem changes and tree mortality through fire, insect infestations, drought, and disease outbreaks.

As I noted before, the Assessment suffers from the use of the term “climate change” with two

meanings: natural and human-induced. The implication in this key message is that the forest problems are the result of human-induced climate change, but as I have made clear, both the failure of the models and the failure of temperature change to closely track CO2 make this key statement false. Furthermore, it is well known that (1) forest wildfires are largely due to long- term suppression of fires in the twentieth century, which allowed the buildup of excessive fuel; and (2) that insect infestations and disease outbreaks are heavily the result of introduced species and the failure to remove dead and decaying timber from forests. In addition, this key statement is another example where recent weather patterns are said to represent and prove human-induced global warming, which I pointed out at the beginning is incorrect.

Key Message 2U.S. forests and associated wood products currently absorb and store the equivalent of about 16% of all carbon dioxide (CO2) emitted by fossil fuel burning in the U.S. each year. Climate change, combined with current societal trends in land use and forest management, is projected to reduce this rate of forest COuptake.

As explained in my review of the IPCC 2014 report, the estimates of carbon uptake by

vegetation used by IPCC and in major articles cited by the reports are based on what can best be called “grab samples,” a relatively small number of studies done at a variety of times using a variety of methods, mainly in old-growth areas. The results reported by IPCC overestimate carbon storage and uptake by as much as 300%.16 Therefore this is an unreliable statement.

As I stated at above, these are representative examples of problems that exist throughout the Climate Change Assessment.

NOTES

1. Publications by myself and J. M. Melillo: Aber, J.S., D.B. Botkin and J.M. Melillo, 1978, Predicting the effects of different harvesting regimes on forest floor dynamics in northern hardwoods, Canad. J. Forest Research 8: 306 – 315.; Aber, J.D., D.B. Botkin and J.M. Melillo, 1979, Predicting the effects of different harvesting regimes on productivity and yield in northern hardwoods, Canadian J. Forest Research 9: 10 – 14.; Aber, J.S., G.R. Hendrey, D.B. Botkin, A.J. Francis, and J.M. Melillo, 1980, Simulation of acid precipitation effects on soil nitrogen and productivity in forest ecosystems, Brookhaven National Laboratory Publications BNL 28658, Associated Universities, Inc,

N.Y. Botkin, D.B., J.M. Melillo and L.S. Wu, 1981, “How ecosystem processes are linked to large mammal population dynamics,” pp. 373 – 387.In: C.W. Fowler and T. Smith, eds.Population Dynamics of Large Mammals, John Wiley and Sons, NY.; Aber, J.D.,

G.R. Hendrey, A.J. Francies, D.B. Botkin and J.M. Melillo, 1982, Potential effects of acid precipitation on soil nitrogen and productivity of forest ecosystems, pp. 411 – 433, In:

F.M. D’itri, ed., Acid Precipitation: Effects on Ecological Systems. Ann Arbor Science, MI.

2. Le Roy Ladurie, E., Times of Feast, Times of Famine: A History of Climate Since the Year 1000,. 1971, Garden City, N.Y: Doubleday & Co. 426pp.

3. Botkin, D. B., 2012, The Moon in the Nautilus Shell: Discordant Harmonies Reconsidered (Oxford University Press, New York, hardback and ebook, September 14, 2012)

4.Botkin, D. B., and E. A.. Keller, 2014.Environmental Sciences: Earth as a Living Planet(John Wiley, New York).

5. Craine, J. M., E. G. Towne, A. Joern, and R. G. Hamilton,2008: Consequences of climate variability for the performance of bison in tallgrass prairie. Global Change Biology, 15, 772-779, doi:10.1111/j.1365-2486.2008.01769.x.

6. Vos, D., “Going Native.” Wildlife Reviews, 2006. Spring: p. 25-28.

7. Post, E., C. Pedersen, C. C. Wilmers, and M. C. Forchhammer, 2008: Warming, plant phenology and the spatial dimension of trophic mismatch for large herbivores. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences, 275, 2005-2013, doi:10.1098/rspb.2008.0463. [Available online at http:// rspb.royalsocietypublishing.org/content/275/1646/2005. full.pdf+html]

8. IUCN Summary of polar bear population status per 2013http://pbsg.npolar.no/en/status/status-table.html

9. 1. Dawson, T.P., S. T. Jackson, J. I. House, I. C. Prentice, and G. M. Mace, Beyond predictions: Biodiversity conservation in a changing climate. . Science, 2011. 332: p. 53-58.

10. Mahoney, Andrew R., John R. Bockstoce, Daniel B. Botkin, Hajo Eicken, and Robert A. Nisbet. 2011, “Sea Ice Distribution in the Bering and Chukchi Seas: Information from Historical Whaleships’ Logbooks and Journals,” Arctic. 64, (4): 465 – 477. (DECEMBER 2011).

11.Botkin, D. B., and E. A.. Keller. 2014. (9th edition) Environmental Sciences: Earth as a Living Planet (John Wiley, New York).

12. Botkin, D. B., 2012, The Moon in the Nautilus Shell: Discordant Harmonies Reconsidered

(Oxford University Press, New York, hardback and ebook, September 14, 2012).

13. Charmantier, A., Robin H. McCleery, Lionel R. Cole, Chris Perrins, Loeske E. B. Kruuk, Ben C. Sheldon, Adaptive Phenotypic Plasticity in Response to Climate Change in a Wild Bird Population. Science 2008. 320(5877): p. 800-803.

14. Grime, J.P., Jason D. Fridley, Andrew P. Askew, Ken Thompson, John G. Hodgson, and Chris R. Bennett, Long-term resistance to simulated climate change in an infertile grassland. PNAS, 2008. 105(29): p. 10028-10032.

15. Divoky, G. 2011. Black Guillemots in a melting Arctic: Responding to shifts in prey, competitors, and predators. Transcription, pages 125–130 in R. T. Watson, T. J. Cade, M. Fuller,

G. Hunt, and E. Potapov (Eds.). Gyrfalcons and Ptarmigan in a Changing World, Volume I. The Peregrine Fund, Boise, Idaho, USA. http://dx.doi.org/10.4080/gpcw.2011.0112

16. Botkin, D. B., and L. Simpson, 1990, Biomass of the North American Boreal Forest: A step toward accurate Global Measures: Biogeochemistry 9:161-174;Botkin, D. B., Simpson, L. G., and H. J. Schenk, 1992, Estimating Biomass, Science Letters. Vol. 257, No. 5067. (Jul. 10, 1992), pp. 146-147; Botkin, D. B., Simpson, L. G., and R. A. Nisbet, 1993, Biomass and Carbon Storage of the North American Deciduous Forest, Biogeochemistry 20: 1-17;Botkin, D. B., Ngugi, M.R., D. Doley (submitted). “Statistically Valid Estimates and Accurate Forecasts of Forest Biomass and Carbon Sequestration: A Forty-Five Year Quest.” Keynote speech at IUFRO Forest Biomass Conference, October 7, 2013, to be published in Drewno (Wood) Journal.


15 dicas de que você está se tornando um liberal

O mundo muda muito rapidamente e deixa a gente tonto, mas algumas coisas nunca mudam. Por exemplo as pessoas continuam procurando uma razão para reclamar bastante da vida, e o liberalismo trouxe uma das melhores razões para isso: a violação constante aos direitos individuais de todas as pessoas humanas individuais individualizadas nelas mesmas.

Você já perdeu a conta de quantas vezes ficou de queixo caído com a burrice de certas leis? Se pergunta como as outras pessoas ainda acreditam nos políticos e suas promessas pretensamente salvadoras? Fica de cara com o sucesso de camisetas marketeando Che Guevara?

Eu tenho uma péssima notícia para seus amigos: VOCÊ PODE SER UM LIBERAL. Isso mesmo amiguinho(a), essa doença pega. Um dia você começa a defender a liberdade de expressão, e sem perceber logo você está se digladiando na internet com stalinistas e olavistas.

Mas não se desespere! No espírito liberal clássico de fraternidade e caridade voluntária não-obrigatória, a Liberzone fez um guia prático para que você descubra se o vírus pegou mermo ou se é só uma febrinha (daquelas de fim de semana quando o sol resolveu sair depois de meses de chuva).

Sem mais delongas aí estão as 15 dicas de que você está se tornando um liberal.

1) Você já acorda pensando: “como o estado vai me ferrar hoje?”

Cada macaco no seu galho

Já terminei de pagar os impostos do ano?

Todo dia é a mesma coisa, você quer dormir um pouquinho mais, e vem o estado te acordar antes da hora pra escovar os dentes, levantar a bunda e ir trabalhar. Afinal você precisa pagar impostos. O que seria de nós sem esse papai, não é? Nele você pode confiar, diferente do tal do mercado, e então…

2) Seus amigos de esquerda sempre reclamam da sua “fé no Deus mercado”.

Crente que é gente

Testemunhe sua benção! R$ 100,00 por favor.

“Ave Adão Smith, cheio de grana, o senhor é comércio”. Quando é que esses leitores de Rousseau vão ler um pouco mais de Voltaire? Não achamos que o “mercado” vai resolver nada. Pessoas resolvem problemas, comércio é apenas uma das formas. Chega a ser até engraçado, pois acreditar que o governo deve resolver todos os problemas existentes é que parece ser fé digna de uma igreja. Mas isso é fichinha, pois…

3) Seus amigos de direita te acusam de ser marionete nas mãos dos agentes pagos da KGB gayzista George Soros.

Fabulosa!

Afinal, como vou pagar o estoque de glitter e de KY?

Ainda bem que existem pessoas com visão alêm do alcance para enxergar essas conspirações. Às vezes o que falta pra gente é um diploma de astrólogo, ou umas férias em Miami. Se bem que Miami é bem colorida, vai que você toma uma Pepsi abortiva, esbarra numa gay pride e aí SE SOLTA PRINSSESSA!!!! Melhor ficar na Coca mesmo. Se bem que as FARC já dominaram o Brasil com o Foro de Sumpaulo vendendo Coca-ína. Melhor ficar em casa bebendo água mesmo. Mas não tem problema, já que…

4) Você não sai de casa porque senão estaria usando ruas públicas.

A segunda estrela do mar à direita e então direto, até o ancapistão

Você pode voar, você pode voar Peter Pan!!!

Assim como os comunistas não usam iPhone, caso contrário estariam contribuindo para a exploração de bebês em fábricas na China. Somente no interior da Suíça, onde maior parte das estradas abertas ao público são na verdade privadas, é que os liberais conseguem sair pra fazer compras, ir no cinema. No resto do mundo as pessoas usam as ruas públicas apenas para ir em lojas públicas comprar iPhones públicos com o dinheiro do Bolsa Família. Eu sei, nada disso faz sentido. Então para explicar…

5) Você tem medo de não conseguir ler todos os livros e artigos existentes sobre todos os assuntos relevantes à política, à economia e à cultura.

Tecnologia anti-social

Com esses assuntos eu chego a ter 0.1% do conhecimento humano.

A desvantagem de lutar contra a sujeição do indivíduo pelas normas do coletivo é que você sempre precisa explicar quando, onde e porque isso é errado. Se não explicar direitinho vem a turba e passa por cima. E para isso será necessário adquirir uma quantidade inadquirível de conhecimento. Parece impossível, mas não é. Somente a probabilidade é que é estatisticamente irrelevante.

6) Você para de culpar o governo pela falta de subsídio, mas começa a reclamar do excesso de impostos e burocracia.

É para o seu bem

“A sua agricultura desregulada é uma ameaça ao bem estar público.”

Antes eu era ecolô e artista, ficava indignado porque “o governo não faz nada”. É claro que eu estava errado, o governo sempre faz alguma coisa para atrapalhar. Hoje eu torço para que o governo não faça nada, e desfaça tudo que fez. Do pipoqueiro ao industrial de móveis, a melhor coisa que o governo pode fazer é não atrapalhar. Atuar na justiça e na segurança não é a mesma coisa que asfixiar a sociedade em centenas de milhares de regras micro-administrativas. Esse é um dos motivos pelos quais…

7) Você ri quando chamam o PSDB de direita ultraliberal.

Vergonha alheia

heoiheoiheoiheoiheoihe

A classificação de direita e esquerda já é complicada por si só, com todas as reviravoltas da história. O liberalismo foi considerado esquerda na França até meados de 1930, por exemplo, e agora tenta se livrar da associação com os conservadores no pós-guerra. Agora… somente na mente confusa de um esquerdista mainstream brasileiro o PSDB poderia ser chamado de direita. FHC deu beijinho em Fidel Castro, foi professor na Sorbonne. Tá de sacanagi!

8) O seu adjetivo preferido para a política econômica da maioria dos países é “keynesianismo”.

Ressaca monetária

Basta um pouco mais de estímulo econômico governamental…

Leia os jornais na seção econômica internacional e procure algum país onde o estado diminuiu de tamanho, não somente nas bolsas aos mais pobres, mas diminuiu em termos de proporção entre orçamento e PIB (mesmo que o PIB seja uma medida imprecisa da riqueza de um país). Pra não perder tempo eu contarei o resultado: não acharás nenhum. Se achar me conta. Se não estiver com vontade de procurar…

9) Você espera ansioso pelo próximo artigo abominável do Paul Krugman.

Krugonomics

“Oi! Sou milionário e faço parte do 1% que eu tanto critico.”

No Mundo Encantado de Krugman a Internet é uma tecnologia desimportante que logo vai sumir, a bolha immobiliária americana era uma propaganda de conservadores, os governos europeus vivem uma crise de longa austeridade fiscal, e outras maluquices engraçadas mais. Ele é o único caso onde a fantasia é mais fantástica que a realidade, nada abala sua convicção em ganhar dinheiro se aproveitando do sentimento de culpa daqueles que ele mais finge atacar: o 1% dos mais ricos. Quem lê Krugman, e o próprio Krugman, é branco, rico e odeia brancos ricos.

10) Você não sabe se a polícia ela existe pra ajudar, ou se dizem que ela pode te matar.

Esse aqui tá bem servido

Servir e proteger (os interesses estatais)

Ela existe para estimular a indústria dos donuts, todo mundo sabe. Uma pizza chega mais rápido, então porque não abrir uma pizzaria de segurança? Todas as leis existentes tranformam todos os cidadãos em criminosos todos os dias, e a polícia está lá para usar essa alavanca em favor do controle, do estímulo ao conflito social, da incitação ao medo da autoridade, etc. Proteger o cidadão somente se for um detalhe colateral que não atrapalhe os objetivos anteriormente citados. A diferença entre um policial e um segurança de shopping é que o segurança de shopping pode ser demitido e até preso. Você imagina o tipo de abuso que isso gera. E para diminuir esses abusos…

11) Você começa a defender o direito de casais homossexuais terem armas para defender seus filhos adotivos, sua propriedade privada e suas plantas de maconha.

Melhor não tentar nenhuma gracinha

Isso deve dar um nó na cabeça da esquerda e da direita

“Eu leio seus posts mas às vezes você escreve umas coisas horríveis!” Pois é, liberalismo é isso, é a parte boa do conservadorismo e da esquerda, e combate a parte ruim dessas ideologias. Então você atrai os maconheiros, os defensores da autodefesa, os gays, e aí choca todo mundo quando eles percebem que você não quer proteger minorias em detrimento das outras minorias, e sim que os indivíduos tenham liberdade e sejam responsáveis por suas escolhas e atos. Isso sai completamente da zona de conforto do cidadão médio, logo…

12) Você ataca opiniões autoritárias o dia inteiro, mas vira bicho quando alguém sugere censurar essas opiniões.

Não me provoque

Pandas não gostam de censura, tá ligado?

Como as pessoas não conseguem entender esse princípio tão simples? Liberdade de expressão é irrestrita, ou não é liberdade de expressão. Eu tenho o direito de pensar e falar o que eu quiser. Não tenho o direito de FAZER o que eu quiser. Isso traz a inconveniência de ter que conviver com discursos de ódio, mas se você começar a escolher quais discursos devem ser aceitados na sociedade, não vai poder reclamar quando outros escolherem o seu discurso como não tolerável. Ser intolerante com os intolerantes continua sendo intolerância. O que você tolera dentro da sua casa ou sobre quem você escolhe falar mal na internet, isso é escolha sua. Por outro lado liberdade de expressão não é justificativa para quando..

13) Seus amigos comunistas “brincam” contigo dizendo que vão pedir pro comitê te livrar do paredón quando a revolución chegar.

"Justiça"

Meu último pedido é passar por um julgamento imparcial.

Imagina se você faz uma piada dizendo que pediria para Hitler poupar o teu amigo judeu? Ou se você brinca dizendo que não mataria teu amigo cristão caso o Jihad chegasse ao seu bairro? Por algum motivo os comunistas não conseguem entender que essa brincadeira apenas demonstra como a violência está no âmago dessa doutrina. Vou citar de passagem que existem sim comunistas verdadeiramente comunais, do tipo hippies vivendo em comunidades, mas esses não fazem esse tipo de piada. Esses quase não falam né, estão numa zen, relax brou……….. Esses ficam tranquilos, diferente de quando…

14) Em um mesmo dia você irrita conservadores e socialistas.

Yes!

Já posso dormir tranquilo.

Vamos admitir? Grande parte de ter uma ideologia é poder encher o saco dos outros. É bom pacas irritar os outros, te dá uma sensação de não ser talvez tão ruim quanto você no fundo acha que é. Que sentimento maravilhoso, preencher o vazio da existência com o desprezo fingido. O quê? Pelo menos estamos estimulando o contato humano. E de quebra implantamos o liberalismo cultural, como exigido no contrato de blogueiro liberal pago pelas forças capitalistas neoliberais, a razão pela qual…

15) A maior parte da sua renda vem do Fundo Blogueiro Tucano-Neoliberal dos Irmãos Koch.

Encontro Nacional dos Blogueiros Liberais

É lucrativo ser blogueiro liberal!

Será que existe coisa mais ingrata que defender o liberalismo nos dias de hoje? Deve estar entre colecionar papel de carta e torcer pro Botafogo. Ma a gente faz é por amor, porque o Aécio perdeu muita grana naquele helicóptero e andou atrasando os últimos pagamentos. Sem contar que o Marco Civil vai acabar logo logo com o nosso facismo explorador das mentes na rede mundial dos computadores. Ai, ai, vida dura.

É isso aí amiguinhos, a brincadeira foi boa, mas eu tenho que voltar a lutar contra o exército de trolls petistas ou carolas que rondam pelos caminhos das internetes. Lembrem-se, não esmoreçam pois o que vem depois da vida é o descanso eterno, muito tempo pra pensar no que você deixou de fazer. Abreijundas!


Tradução de Raphael Moras de Vasconcellos do artigo “Gauche libérale, la grande amnésie”, de Alain Cohen-Dumouchel no endereço www.gaucheliberale.org em 26 nov. 2013

O fato de situar os liberais à direita do espectro político é um curioso acidente histórico, para não dizer uma anomalia que não é isenta de consequências sobre o fraco sucesso atual das ideias liberais e sobre sua incompreensão por parte do público. Pois parece claro que um movimento político não se define apenas por suas ideias, sua doutrina, sua filosofia, mas também por aquelas que ele combate.

Durante cento e cinquenta anos, os liberais ocuparam os bancos da esquerda na França. De 1789 a 1930, os liberais e seus movimentos afiliados se sentaram majoritariamente à esquerda. Em 1840, os deputados mais puramente liberais ocupavam a extrema esquerda da assembleia. Não contente de combater a direita nacionalista, clerical, corporativista e protecionista, eles se destacavam mesmo de outros liberais, mais lestos no compromisso com o poder. A outra esquerda, a esquerda jacobina, estava nessa época completamente desacreditada. A lembrança de suas violências e de seus fracassos econômicos e financeiros estava ainda fresca na memória dos franceses.

Essa esquerda liberal, esses “economistas” como se chamavam, militavam pela democracia republicana, pelo livre comércio, pela educação gratuita e obrigatória, pela universidade livre, pela liberdade sindical e de associação, pelo estado de direito, o respeito aos contratos e à propriedade privada individual, e por uma verdadeira laicidade. Eles lutavam contra as uniões (1) e comitês de patrões que buscavam influenciar os poderes públicos para obter a exclusão dos produtos estrangeiros. Eles restabeleceram a liberdade sindical e de associação interditadas pelos jacobinos logo após a Revolução. Eles igualmente aboliram a escravidão por duas vezes, antes e depois de Napoleão. Eles eram contados entre os raros membros da Assembleia que se opunham à colonização (sem serem unânimes na questão) bem ao contrário do socialismo crescente.

Até o meio do século XIX, a esquerda era quase exclusivamente o partido do indivíduo, contra a direita, que era o partido do coletivo, da família, da pátria e da religião. A virada da esquerda ao coletivo, tímida em 1830, se intensifica em 1848 e irá crescendo até o fim do século. A presença à esquerda de liberais republicanos ou radicais se mantém até o começo do século XX. É notável que nesse momento, o crescimento do socialismo faz desaparecer os liberais da esquerda sem contudo os jogar para a direita. Com a chegada do socialismo, são os princípios de 89 que são esquecidos e que desaparecem, sem serem retomados pela direita, sempre nacionalista, clerical e protecionista.

A guinada política liberal “de direita” não aparecerá até bem mais tarde, após 1945 em reação à dominação do marxismo entre os intelectuais (2). Ela continuará extremamente minoritária na França, ao contrário do liberalismo “de esquerda” que participou ativamente do poder durante todo o século XIX.

O que é assaz (3) extraordinário é que esse pertencimento dos liberais à esquerda é hoje mais que esquecido. Pode-se afirmar que ele foi apagado, ou seja, voluntariamente ocultado. Essa amnésia supreendente é obra principalmente da esquerda socialista porém é igualmente perceptível no seio dos liberais, dentre os quais alguns parecem se acomodar em e mesmo reinvidicar sua classificação à direita.

Uma das manifestações mais visíveis desse revisionismo histórico surge na invenção e no emprego constante na imprensa dos termos: “primeira” e “segunda” esquerda. O termo “segunda esquerda” foi inventado pelos jornalistas Hervé Hamon e Patrick Rotman na sua obra “A Segunda Esquerda: História Intelectual e Política da CFDT” (4). Ele foi retomado e tronado célebre através do famoso discurso de Michel Rocard sobre as duas cultura da esquerda, pronunciado aquando do congresso do Partido Socialista em Nantes em junho de 1977.

A “segunda esquerda” se define pela sua oposição à esquerda marxista, centralizadora e jacobina. Continuando a ser definitivamente anticapitalista apesar de demonstrar um certo realismo econômico, a “segunda esquerda” se quer descentralizadora, auto gestionária e afirma levar em conta a participação dos “cidadãos” (o conceito de indivíduo sendo ainda um tabu).

A noção ditadura do proletariado é aí excluída e, novidade, essa esquerda comporta em seu meio alguns social-democratas cristãos oriundos da CFTC (confederação francesa dos trabalhadores cristãos). Bem entendido, a denominação de”segunda esquerda” sustentada pela rocardianos (5) e largamente utilizada desde então por toda a imprensa sugere e mesmo impõe aos franceses a ideia que antes da primeira esquerda (a marxista coletivista) havia… nada. Incrível, os bancos à esquerda da assembleia se encontravam então vazios antes que os socialistas e marxistas os invadissem?

Contudo, a criação do Partido Socialista é bem tardia na França. É preciso esperar até 1905 para que os numerosos micro-partidos de obediência socialista se unissem para criar a SFIO (seção francesa da internacional operária), ancestral da formação política que conhecemos atualmente.

No fim do século XIX os primeros socialistas a serem eleitos deputados são independentes, tal qual Jean Jaurès,  o mais conhecido entre eles. Quanto aos comunistas, não aparecerão na assembleia até a cisão do congresso de Tours em 1920.

Então, infelizmente para os inventores da “segunda esquerda”, antes da auto-intitulada “primeira” esquerda da SFIO (6) ou stalinista, havia uma outra esquerda, individualista, liberal e republicana, que os socialistas querem absolutamente apagar da história. Nessa numeração socialista das esquerdas seria preciso chamá-la de “esquerda menos um”.

Um dos paradoxos dessa ocultação da esquerda liberal, é que ao querer fazer crer que a história da esquerda começa com aquela do socialismo, os inventores da “segunda esquerda” empregam, mais ou menos conscientemente, os métodos da esquerda stalinista que eles pretendem combater.

Notas do tradutor

(1) – Não fica claro se uniões são um tipo específico de associação de patrões: “Ils luttaient contre les unions et comités de patrons qui cherchaient à influencer les pouvoirs publics pour obtenir l’exclusion des produits étrangers.

(2) – O autor escreve “La mouvance politique libérale “de droite” n’apparaîtra que bien plus tard, au lendemain de 1945 en réaction à la domination de l’intellectualisme marxiste.” Não fica claro se intelectualismo é um termo corrente ou um neologismo querendo dizer o grupo de intelectuais e suas obras marxistas no pós-guerra do século XX.

(3) – É divertido usar assaz para assez, os portugueses usavam até o século passado. Mas é hipster.

(4) – Hervé Hamon, Patrick Rotman, La deuxième gauche : histoire intellectuelle et politique de la CFDT (na minha rápida busca, não encontrei referência à primeira edição).

(5) – Seguidores de Michel Rocard, político francês socialista, ex-primeiro-ministro, senador, etc.

(6) – Após a cisão entre socialistas e comunistas, socialistas continuaram na SFIO sob a liderança de um de seus fundadores, Jules Guesdes, sendo chamados de guesdistes: “Donc, malheureusement pour les inventeurs de la “deuxième gauche”, avant la soi-disant “première” gauche guesdiste ou stalinienne…


VTC, Táxi!

12fev14

*Full disclosure – eu sou motorista licenciado VTC (Voiture de Tourisme avec Chauffeur).

Cidadãos de bem, uma ameaça ronda os aeroportos e estações de trem de Paris… A ousadia é sua marca, os bancos confortáveis de seus automóveis servem de base para suas atividades desreguladas, e os clientes transportados de forma segura aos seus destinos não se importam com o estrago que estão causando em um dos mercados parisienses mais antigos da era moderna. Sim, bravos leitores, estou falando dos aplicativos de chamada de táxi por celular, com seu exército crescente de chauffeurs independentes VTC contra a infantaria entrincheirada dos táxis de bandeira.

Mais liberdade? De quem é essa ideia estúpida?

Ou isso é o que os taxistas querem que a gente pense.

Quando decidi escrever sobre a nova causa de desespero dos taxistas parisienses, me encontrava inseguro pois não sabia se teria material interessante para colorir este artigo. O que eu encontrei foi uma história tão exemplar de fisiologismo (o equivalente português para o inglês cronysm e o francês copinage), que vou usá-la para explicar brevemente o que vem a ser a teoria liberal da luta de classes.

Marx era um péssimo economista, mas não era inteiramente desonesto: “No que me concerne, eu não tenho o mérito de ter descoberto a existência das classes na sociedade contemporânea, nem o de ter descoberto a luta dessas classes entre si. Os historiadores burgueses expuseram, muito antes de mim, o desenvolvimento histórico dessa luta de classes, e os economistas burgueses a anatomia econômica das classes[1]. Esses burgueses foram, entre outros, Charles Dunoyer, Charles Comte, Augustin Thierry e seu genial precursor Jean Baptiste Say, que haviam notado a luta existente entre aqueles que produzem riqueza e pagam os impostos, e aqueles que decidem sobre como pode ser criada e para onde vai essa riqueza coletada pelos impostos.

CtrC+CtrV ao invés de CCCP

Você consegue imaginar para onde estou encaminhando nossa conversa? Como os taxistas chegaram a ter o poder de desafiar altas figuras do governo francês, atacar concorrentes mesmo com clientes dentro do carro, serem grosseiros e caros, e ainda por cima lucrar com a escassez no monopólio sobre um dos mercados mais supimpas de uma das capitais mais importantes da Europa? Luta de classes, mon ami: os políticos, burocratas, empresários big business, taxistas e montadoras de um lado; e nós, o resto, do outro.

Nesse momento de 2014 as empresas de aplicativos de celular e os independentes estão lutando para quebrar as muralhas dessa fortaleza. Façamos uma viagem ao passado. Era uma vez uma cidade que seria soterrada pelo estrume não fora, entre outras razões, pelo advento milagroso do automóvel (tão vilipendiado hoje em dia como uma grande causa do apocalipse). Em 1898 Paris conheceu seus primeiros veículos motorizados utilizados para transportar passageiros a título oneroso. [2] Eram pouco mais que carruagens motorizadas, e imagino que os cocheiros da época devem ter ficado alarmados com a chegada dessa nova concorrência. Talvez tenham feito “operações estrume” para atrapalhar o bom fluxo dos veículos nas vias públicas. Mas quem quer matar de vez a profissão dos cocheiros é o atual prefeito nova iorquino.

Cuidado onde pisa, Madame

Em 1903 apareceram os primeiro taxímetros mecânicos. Dois anos depois, um bisneto de Napoleão Bonaparte criou a Companie Française des Automobiles de Place (CFAP), e em 1906 já existiam 300 veículos conhecidos então como Autotax (do francês taximetre emprestado do grego, “medidor de tarifa”).  Os bancos investiram na compra de carros em 1907 e triplicaram o número de prestadores. 1910 é um ano importante para minha análise: a chegada das primeiras regulamentações [3] sobre as tarifas, e 1911 vê nascer a primeira greve dos taxistas parisienses. Ah, que tempos nostálgicos, não é? 144 dias de greve. A CFAP logo é comprada em 1913 por um banco, e muda de nome para G7. Hmmm. A sociedade CFAP fundada pelo neto do imperador é a mesma G7 que hoje se senta com os poderosos da política? Interessante.

Demorou pouco para o setor começar a ser capturado. De forma progressiva, certes, mas inevitavelmente vers o que hoje é um monopólio. Entre as décadas de 20 e 60, as grandes construtoras francesas (Citroën, Peugeot e Renault) entraram no mercado, seja criando, seja comprando companias de táxi, tinham a facilidade de possuir o capital já imobilizado (os carros).

Em nenhum lugar encontrei referência sobre a data da criação da primeira licença de táxi, concedida pelo prefeito da cidade, mas em 1950 elas já existiam, provavelmente desde 1937. Em 1962 a polícia tornou obrigatórios o exame de conhecimentos do chauffeur e o controle técnico do veículo. Em 1966 a prefeitura permitiu a venda de licenças entre taxistas, e assim começou a dança entre oferta e demanda ejetando o preço das licenças parisienses à estratosfera.

Eram estimadas em torno de €5.000 (preço ajustado) em 1974, 15 anos depois a €110.000, até chegar aos cerca de €240.000 atuais. Em 40 anos, um aumento de 4700%! Que ouro, que nada; banana para o petróleo. Fazendo uma conta conservadora das 18.000 licenças a €150.000, chegamos a um mercado de aproximadamente €2,7 bilhões, totalmente criado e mantido pela regulamentação governamental. A escassez artificial faz milagres financeiros para quem dela depende. E as pessoas ainda pedem mais regulamentação governamental para acabar com a especulação selvagem dos mercados, rç.

Valor das licenças governamentais em um mundo ideal

Já deu para entender qual é a razão de cólera dos taxistas, pas vrai? Querem tirar o doce da boca deles, coitados (em francês petit gâteau significa bolinho, seus ignaros, aquele doce de chocolate se chama fondant). Os taxistas que recebem gratuitamente as raras licenças novas querem garantir sua aposentadoria, e o taxista que pagou em uma licença antiga o preço de um apartamento não quer ver seu investimento virar fumaça. O estado cria um monopólio através das licenças (como mostra reportagem da Folha em 2013), incitando a especulação, e o culpado obviamente é o mercado malvadão, o comércio selvagem.

Fondant au Chocolat injustamente chamado de bolinho pelos brasileiros

Até 2005, o mercado VTC era tolerado pacificamente pelos taxistas. Esse setor dependia de uma licença chamada de Grande Remise, definição que vem do Ancien Régime, quando havia carruagens luxuosas à disposição dos “grandes” clientesOs motoristas eram aqueles Jarvis e James da vida, com quepe, terno e gravata, maneiras cordiais. Esses motoristas sempre foram cordiais, atenciosos e mantinham o carro tinindo. O contrário do que fazem os taxistas parisienses quem, segundo uma pesquisa recente, obtiveram o pior índice de satisfação (10%) entre 10 grandes capitais.

Com o amolecimento da regulamentação do setor VTC em 2005, e ainda mais profundamente em 2009, surgiu um grande número de novas empresas de transporte turístico e chauffeurs independentes, atendendo o gigantesco mercado de turistas estrangeiros em Paris (15.9 milhões em 2012). Mesmo com esse crescimento, existem apenas cerca de 12.400 veículos VTC na França [4]. Juntando taxistas e VTCs, o número de prestadores por habitante em Paris (3) é quase quatro vezes menor que o de Londres (11).

Pesquisa confirma que 70% das mulheres não admitem que sentem atração por motoristas uniformizados

É de se esperar que esse número cresça aceleradamente, devido à chegada e pressão dos novos players, as empresas que oferecem e gerem os aplicativos de reserva de VTC por celular ou sites de internet, tanto para turistas quanto para moradores e trabalhadores das cidades francesas. Os antigos Jarvis e James também estão bravos, mas como suas licenças não podem ser vendidas, e lembre-se que são cordiais, não possuem muita força política, nem muito a ganhar agredindo seus concorrentes menos luxuosos.

Gente, ser motorista não é engenharia espacial, até eu posso fazer. Não tem porque achar que se deve restringir o serviço a uma elite de motoristas que podem falar da nouvelle vague nas horas vagas. O consumidor deve ser o juiz final, decidindo onde gastar seu dinheiro suado, e se for enganado ou maltratado deve poder prestar queixa na autoridade competente.

É verdade que esse assunto de transporte é complexo, envolve o subsídio compulsório da infra-estrutura viária e ferroviária, a copinage entre o estado e as montadoras, a posse estatal do subsolo, etc. Benjamin Tucker já havia identificado quatro grandes monopólios no fim do século XIX, e no século XXI Kevin Carson adicionou dois outros; entre eles o do transporte. Desenvolveu a hipótese de que somente através dos monopólios estatais (legislação, moeda, terras, impostos, etc) foi possível tal expansão dos automóveis. Em outras palavras, caso as empresas de automóveis tivessem que depender do mercado ou do seu próprio capital para o investimento em estradas, talvez os automóveis estivessem mais diluídos em outros tipos de transporte individual ou de massa.

Eu quero você para culpar o mercado pelos problemas criados pelo governo

Mas eu escrevia sobre o amolecimento das regulamentações aprofundado em 2009. Um anos antes, o presidente bling bling Sarkozy recebeu o relatório Attali, que havia encomendado no começo de seu mandato, com 316 proposições para desbloquear setores comerciais, tirar as rolhas do gargalo do progresso. Apesar de não achar o Sarkô muito diferente do atual Flamby, essa atitude mostra pelo menos uma vontade de deixar o comércio agir um pouquinho, para depois poder dizer que os méritos são do governo. Enquanto isso o orwelliano Ministère du Redressement Productif mostra a intenção de se criarem soviets. Apesar de ainda apostar no welfare, o relatório pregava não colocar (muito) a dívida da geração atual nas costas das gerações futuras, acabar com as pensões injustas, e várias outras medidas óbvias sob o ponto de vista liberal. Como se pode imaginar o esforço se diluiu em reuniões, discursos e novos relatórios.

Seu dinheiro, Minha vida

Uma das proposições era sobre liberalizar o setor dos táxis, que segundo o relatório tinha se tornado um verdadeiro cartel  criado pelo governo, com regulamentações obsoletas que prejudicavam a sociedade. Não diga, caro relatório… Foi o suficiente para inflamar a cólera nos taxistas. Desde então, cada nova notícia sobre o que o governo vai fazer ou deixar de fazer para ajudar os táxis é motivo para: greves; bloqueio das autovias (chamam de opération escargot), aumentando as habituais centenas de kms de engarrafamentos diários dentro e ao redor de Paris; manifestações; e a cereja no bolo: a agressão aos motoristas e aos veículos VTC. No dia 13 de janeiro de 2014 os taxistas que bloqueavam as vias do aeroporto de Orly quebraram a janela e furaram os pneus de um veículo VTC parceiro do aplicativo Uber, COM CLIENTES DENTRO. No mesmo dia atacaram os colegas que não participavam da greve. Além de burros, são muito burros. E do tipo violento. Estão advogando contra si mesmos, brilhantes. Onde estava a polícia, você pergunta? O que foi feito com esses animais, você indaga? A polícia é um braço do estado, e o estado está do lado dos táxis. Nada foi feito, que os estragos sejam pagos pelo suor dos motoristas VTC.

Não é à toa que muitos taxistas estão eles próprios tentando obter a licença VTC. Alguns desses justamente depois de vender sua licença e passar a batata quente adiante. Existe na França a Agência da Concorrência, l’Autorité de la Concurrence, estabelecida no espírito ordoliberal da New Public Management, visão sob a qual o mercado é importante mas deve ser regulado pelo governo para corrigir suas falhas e garantir l’ordre publique. Vale lembrar Proudhon: a Liberdade não é a filha, mas a mãe da Ordem [5]. A referida agência foi mais uma instância governamental que se rebelou e se pronunciou contra o establishment taxista. No seu relatório de dezembro de 2013, em resposta à consulta feita pelo governo, afirmou que a proposta de regulamentação que passaria a obrigar um período mínimo de 15 minutos entre a reserva e o embarque do passageiro nos veículos VTC criaria uma distorção concorrencial em favor dos táxis, pois estes também podem ser reservados, enquanto os VTC não podem recolher clientes na rua. Com todas as palavras essa agência sugeriu a continuação da “liberalização regulamentada” do setor.

É claro que essa proposta é resultado da pressão dos taxistas, eles haviam pedido um período mínimo obrigatório de DUAS HORAS, é de matar. O governo ignorou a agência e a regulamentação dos 15 minutos entrou em vigor dia 1 de janeiro de 2014. Mesmo assim houve mais uma manifestação monstra dia 13 de janeiro que atravancou Paris. Talvez eles soubessem de alguma coisa pois os 15 minutos foram suspensos pelo Conseil d’État, a mais alta jurisdição administrativa francesa, pois o decreto «porte atteinte à la liberté du commerce et de l’industrie et à la liberté d’entreprendre», além de ser desfavorável aos consumidores. São os 15 minutos de fama (desculpem, era um cliché inevitável) da liberdade de comércio, pelo menos até a decisão final antes do fim do ano. Enquanto isso os taxistas seguem espumando sua raiva.

Segundo o diretor geral dos Taxis Bleus, cooperativa de 3000 taxistas, “estamos numa completa anarquia”. LOL. Eu não sei o que dizer para este ser, ele precisa escolher melhor as palavras. Não sei se o pior é a ingenuidade dos motoristas, ou a cara de pau dos verdadeiros atores por trás da pressão governamental. Afora os  sindicalistas que garantem votos para a classe política, quem realmente anda nos corredores do poder são os donos das grandes empresas, que detêm quase metade das licenças de táxi de Paris.

Aquela empresa fundada pelo bisneto do Napoleão hoje é a maior da França e dona também de 50% da Taxis Bleus, e é dirigida por Nicolas Rousselet, filho do fundador do Canal+ (canal pagante de TV – parte da Big Corp Vivendi), quem também era grande amigo do ex-presidente francês François Miterrand. Por grande amigo entenda ex-subordinado transformado em ponte entre financiadores de campanha e o ex-presidente. A promiscuidade desse tipo de empresariado com o poder político é mais do que óbvia, basta seguir as migalhas de pão.

Papai me deu esse lobby de presente

O corporatólatra Rousselet reclama que a concorrência dos VTC é desleal para com o setor de táxi. Mais uma declaração estonteante para o caderninho. Esses doidos usam o termo “concorrência desleal” como se não fizessem parte de um cartel garantido pelo estado. Hahaha. Cara de mogno, de pau-ferro, de massaranduba. Enquanto os pequenos taxistas vão às ruas fazer o trabalho sujo e violento, os chefes mafiosos estão sentados em poltronas de couro contando a entrada de euros pelo aluguel de suas licenças, falando ao telefone com os atuais encarregados do poder executivo. Para ilustrar o imboglio, o diretor da escola de economia de Paris lembrou oportunamente da petição dos fabricantes de vela (apesar de ter atribuído ou ter sido atribuído citando um fato, e não uma parábola de Frédéric Bastiat).

Vou tentar resumir o que eu penso sobre a situação do setor de transporte de passageiro em carros, em Paris. O mercado de táxis logo foi capturado pelos políticos, para ganharem doações de campanha em troca de favores políticos, e os trabalhadores se agarram às boias mais próximas tentando garantir seu emprego ou o valor de sua licença, que não passa de um bem intangível sem valor fora das proteções governamentais completamente artificiais e anti-econômicas. Invariavelmente a demanda por esse tipo de serviço aumenta criticamente, criando tensão e promessas suficientes capazes de atrair empreendedores dispostos a correr o risco e a enfrentar os lobbies, as barreiras de entrada e o próprio governo na busca pelo lucro desperdiçado até então. Os novos empreendedores que conquistarem seu espaço se tornarão os futuros lobistas, e assim caminha a humanidade de mãos dadas com esse sonho incoerente chamado democracia republicana.

Está aí exemplificada a luta de classes sob o ponto de vista liberal. Deixo vocês com a cocotinha Vanessa Paradis cantando o crássico Joe le Taxi, em homenagem aos meus mais novos inimigos. As letras são tão sem sentido quanto as reclamações dos taxistas.

Notas bibliográficas:

[1] – Marx to J. Weydemeyer, March 5, 1852, Karl Marx and Friedrich Engels, Selected Correspondence (Moscow: Progress Publishers, 1965), p. 69.

[2]http://fr.wikipedia.org/wiki/Taxis_parisiens#De_1898_.C3.A0_1950

[3] – ndA Regulamentação no sentido de legislação regulamentar de um setor econômico, que é obrigatório e compulsório, diferente de regulação que se atinge de forma voluntária entre os agentes do comércio.

[4] – Autorité de la Concurrence, Avis n° 13-A-23 du 16 décembre 2013 concernant un projet de décret relatif à la réservation préalable des voitures de tourisme avec chauffeur (http://www.autoritedelaconcurrence.fr/pdf/avis/13a23.pdf), p. 9

[5] – Proudhon, Pierre-Joseph, 1848, La Solution du Problème Social (Paris: Librairie Internationale, 1868), p. 87.


A sardinha da Avenida Foch

*Este artigo apareceu primeiro no site Libertroll.

A candidata do PS Anne Hidalgo quer ser dona da Avenida Foch

O novo alvo dos socialistas ecolôs de Paris é a Avenue Foch (pronunciada fósh), um símbolo entre os endereços elitistas do mundo.

Esta via foi criada dentro do projeto de urbanização do presidente, e depois imperador, Napoleão III  entre 1850 e 1870, quando o seu capanga preferido, o prefeito Haussmann, derrubou 60% da cidade para construir uma cidade moderna nos padrões da época. O modelo a ser ultrapassado era São Petersburgo, e após 2,5 bilhões de francos gastos em 20 anos, o prefeito foi demitido deixando uma cidade com esgoto, iluminação a gás, banheiros públicos e, principalmente, à prova de fogo, com muralhas e espaço e trens suficientes para tropas se posicionarem e esmagarem revoltas facilmente. Paris tinha uma longa história de cidade turbulenta, e fácil de sitiar ou se revoltar.

A Avenida Foch foi então desenhada com 120 metros de largura e 1300 metros de comprimento, para que os burgueses de carruagem pudessem ver e ser vistos entre o Arco do Triunfo e o Bois de Boulogne (que estava sendo criado na época). Rapidamente se tornou um dos endereços mais chiques de Paris, atraindo os novos “barões” da indústria como os Rothschilds e os Onassis. Tomou o nome atual em 1929 após a morte do General Foch (que ganhou a batalha do Marne na Primeira Guerra Mundial e profetizou que, caso o Tratado de Versalhes concedesse a manutenção da união territorial da Alemanha, haveria guerra exatamente 20 anos depois). Hoje em dia, ou melhor, à noite, é um destino preferencial de prostitutas decadentes com carros próprios, que invertem a lógica tradicional da profissional à pied.

Além de ter um metro quadrado muito caro (média de 12 mil €/m²), os apartamentos são muito grandes e o preço atinge a estratosfera, na casa das dezenas de milhões de euros.  Na Segunda Guerra os alemães estabeleceram nessa avenida um escritório da Gestapo, onde escolhiam quais judeus seriam deportados para Auschwitz, e por isso os parisienses passaram a chamar a avenida de Avenue Boche (termo pejorativo que designava um alemão cabeça-dura). Há cinco anos atrás o governo andou perseguindo as escrituras dos ditadores africanos (Gabão, Congo, entre outros) com apartamento nessa avenida (os amigos dos ditadores do Qatar que também possuem apartamento lá, esses não, porque pode atrapalhar o investimento dos petrodólares na França). Segundo a fofoca, FHC e Sérgio Motta também compraram imóveis por lá.

Pois bem, os membros do PS (Parti Socialiste) de Paris, que como todo bom socialista gostam de uma arquitetura mais moderna, acham que o espaço pode ser melhor utilizado. Sua candidata nas eleições desse ano de 2014 é Anne Hidalgo, a atual première adjointe do prefeito também socialista Bertrand Delanoë, que termina seus dois mandatos, totalizando 13  anos, muito popular. Primeiro político francês de expressão a sair do armário publicamente, foi esfaqueado durante a Nuit Blanche por ser político e gay, mas mandou a festa continuar enquanto se encaminhava ao hospital. Ele foi o criador do Paris-Plages (vontade de ser Rio de Janeiro), do Vélib (as bicicletas públicas), do Autolib, do Tramway e mais recentemente da baixa de 80 para 70 km/h no Boulevard Péripherique (anel viário de 33 km ao redor da cidade).

Vejam, este senhor é um típico social-democrata de esquerda, que não se importa com quem você beija mas fica tremendo de medo se você entra em um carro (full disclosure: eu sou motorista de vans turísticas). Sem nenhum pudor ele sempre deixou claro que seu sonho era uma Paris de pedestres, onde o carro e a poluição seriam coisa do passado, mas através de uma estratégia maquiavélica de tornar o uso do carro um pesadelo, e quem disse que o governo não é eficiente em nada nunca tinha ouvido falar desse objetivo governamental que está sendo paulatinamente alcançado. Não é nenhum segredo que a prefeitura de Paris ganha zilhões com os estacionamentos e infrações de estacionamento, e que o estado recebe bazilhões com as multas de velocidade e infrações de trânsito (além da polícia dar proteção aos serviços de valet parking).

Um dia normal tem 170 km de bouchons (rolhas, engarrafamento) dentro e ao redor de Paris. Mas o transporte público e as bicicletas de 3000 euros vão nos salvar, algum dia aparentemente /sarc. Quem ganha de verdade com os Vélibs e os Autolibs são os moradores aisés de Paris e os conglomerados tais que JC Décaux, um exemplo de solução top-bottom corporativista que vira uma bandeira progressista, mesmo que tenha um custo de oportunidade milionário para o resto dos moradores.

Admitindo que estou reclamando de barriga cheia, se compararmos com a prefeitura do Rio, volto à Anne Hidalgo e seu projeto para a Avenida Foch. A avenida perderia sua via central que se tornaria um parque parcialmente ocupado por conjuntos habitacionais sociais (cités ou HLMs – Habitations à Loyer Modéré) e comércio. Os carros poderiam circular somente pelas duas vias laterais de uma pista cada (ou duas se proibirem o estacionamento de carros).

Segundo os objetivos oficiais progressistas™, o projeto serviria para devolver o espaço aos pedestres parisienses, para fazer entrar o Bois de Boulogne em Paris, tirar a universidade Paris-Dauphine do isolamento e fazer o 16éme arrondissement participar da “mistura social” através de novos moradores pobres e de classe média. Para além de suas boas intenções, ficamos sabendo de coisas mais concretas como os potenciais 400 mil metros quadrados de espaço para construções, sejam HLMs ou imóveis comerciais.

Todo mundo fica feliz, menos os atuais moradores do local, não é? Do lado político, a candidata não arrisca nada pois provavelmente não receberia mesmo votos desta parte da cidade. Quem é classe média pode ter o gosto de sentir um pouco de vingança contra quem mora lá, e quem é pobre pode sonhar em ganhar um apartamento gratuito novo, financiado sabe-se lá como pela entidade que tudo provê. E alguém vai ser encarregado de construir, desenhar, de demolir, de regular, de fiscalizar, decorar… Quantos empregos… o projeto vai dinamizar a economia! Ou pelo menos é o que quem não conhece a lei do custo de oportunidade vai pensar (keynesianismo, hello!). Muito mais que empregos, serão muitos contratos, e já imagino o comichão dos bolsos e o formigamento nos corredores cheios de interessados, que devem eles mesmos ter soprado a sugestão em algum momento nos ouvidos da candidata. Interesses privados sempre tentam usar a força do estado para criar oportunidades para si em detrimento dos outros.

Ou seja, o roteiro de teatro está todo bem amarrado: uma parte dos moradores da Avenida Foch ficará insatisfeita, os cofres da Prefeitura irão usar dinheiro público para subsidiar os investimentos iniciais, os cofres dos bancos cartelizados da república irão fornecer o resto do financiamento, empresários bem conectados e minimamente profissionais serão encarregados de criar esse sonho, a classe média terá a promessa de apartamentos para seus filhos desempregados, e a classe pobre terá a promessa de casa gratos. Bilhões passarão diante dos olhos de Madame Hidalgo, enquanto o dinheiro vai secar para o crédito de outros empreendimentos. Os preços da mão-de-obra e dos materiais de construção vão aumentar em Paris para alimentar este monstro faminto, criado a partir do sonho artificial de um grupo de pessoas que nunca deve ter dormido um única noite na região.

Longe de mim ficar defendendo genericamente os moradores da famosa avenida. Minha crítica é sempre em relação aos programas de cima para baixo de uma instituição que não respeita os direitos individuais. Uma grande parte dos apartamentos da avenida devem provavelmente ter sido comprados com dinheiro arrancado de inocentes pelos governos de outros países. Mas isso não isenta o próprio governo francês de ser a raiz dos problemas de habitação na França, seja através dos impostos e regulamentações trabalhistas e imobiliários, seja através de programas como o haussmanniano que subsidiou de forma faraônica a modernização de Paris, elitizando o espaço e expulsando os antigos moradores pobres. Se as pessoas ficam chocadas com os orçamentos e posses de grandes corporações, me espanta que não se espantem com as posses e orçamentos de governos, e no caso, da prefeitura de Paris. Qual é a empresa que possui espaço vago para construir em Paris, é dona da terra, do ar e do subterrâneo, e ao mesmo é dona das regras de construção dentro de Paris?

Oh, l’insanité, mes amis. A ordem espontânea dos mercados verdadeiramente livres nunca foi muito presente no setor imobiliário parisiense. Desde a urbanização de Napoleão III existe uma lei que regula e regulamenta de forma arcaica e estrita a construção imobiliária em Paris. Porque será que existe escassez de espaço habitacional e comercial em Paris??? Pelo menos a cidade é bonita e atrai turistas. Se é assim, por mim que expulsem todos os moradores menos eu, e transformem tudo em hotéis, assim terei mais clientes.

Democracia, no fundo, é isso: usar o governo para puxar a sardinha para o seu lado.


Segunda Jornada da Juventude Rolezinho

Segunda Jornada da Juventude Rolezinho

Tradicionalmente um período de baixas vendas, comerciantes comemoram aumento de faturamento após decisão de investir na oportunidade dos “Rolezinhos”.

Flavio Oliveira para a Folha de Taboão

Os membros da Associação de Lojistas do Shopping Itaquera têm bons motivos para acreditar que 2014 será um ano de aumento nas suas vendas. Somente na primeira edição do evento, realizado dentro do prédio e em parte do seu estacionamento, as vendas aumentaram em 20% em comparação com o mesmo período em 2013. Segundo o depoimento de José Prado, síndico dos lojistas, o sucesso da iniciativa foi garantido “sem investimentos significativos. Fora o equipamento de som, a montagem de palcos e a contratação da produção, os custos do evento foram mínimos e valeram muito a pena. A premiação saiu direto dos estoques com dificuldade de escoamento”.

Não são somente os comerciantes que comemoram. Nivaldo Peres, motoboy de pizzaria, se vangloria: “Beijei muito na boca, zoei com os manos e ainda ganhei sanduíche do McDonald’s”. Os líderes dos participantes da Jornada (MCs como gostam de ser chamados para não posarem de autoridade perante os outros jovens) se dizem satisfeitos com os resultados: “Conseguimos chamar a atenção da sociedade para o problema da falta de opções de lazer nas comunidades da periferia, mas de forma positiva, onde todos saíram felizes pelo menos de estar sendo ouvidos, diz o MC Cazuá, servente de pedreiro em uma grande empresa da capital.

Ele foi um dos que participou da Grande Final de MCs, em que jovens funkeiros apresentaram suas composições e o grande ganhador foi a revelação MC Gatinha, a moradora de Vila Medeiros, que mistura letras sensuais a uma crítica ao sistema político que na sua visão impede os favelados de se organizarem sem a intereferência pesada da polícia e dos traficantes. “Quem pode ser feliz / na minha comunidade / se as ordens vêm da polícia / ou da criminalidade” diz uma de suas músicas que conquistaram o público da grande final. “Ela entende o que a gente passa todo dia, meu pai morreu de tiro de polícia e meu primo morreu traficando”, opina Cleude Silva, 14 anos, que pretende voltar nas próximas edições do evento.

Para o sociólogo Pedro Bloch, essa transformação deve ser considerada uma conquista social: “Marx foi acurado em perceber os diferentes a injusta desigualdade entre a classe detentora dos meios de produção e a classe trabalhadora que vende seu trabalho, mas não podemos ficar presos em sua previsão de que o sistema vai ruir sozinho, ou de que cada classe social constrói uma lógica inevitável e totalmente distinta das outras. Os rolezinhos se transformaram em uma ponte real entre o imaginado e o possível.”

Estes bons resultados contrastam com o clima pesado de conflito no início dos rolezinhos, quando ninguém previa que os rolezinhos se tornariam fonte de aumento de renda, alternativa segura de lazer e motivo de uma discussão social racional entre grupos tradicionalmente opostos. Luis Perenguetti, o coordenador das mesas de debate Sessões Periféricas, conta como teve a ideia de se aproximar dos organizadores da Primeira Jornada, e propor o que se tornou o germe para a fundação do IDESPE (Instituto de Estudos Sociais da Periferia): “Eu telefonei para o Sr. Prado e disse que era preciso aproveitar a chance de cristalizar a vontade de confrontar ideias, o que desmonta barreiras tradicionalmente levantadas enter as diferentes classes sociais em São Paulo. A ideia era colocar sempre um representante da periferia, um da esquerda, um da direita, e um liberal para debater sobre uma determinada questão que afeta a vida nas periferias da capital”.

Os debates foram concorridos mesmo entre os rolezeiros. “Os jovens fizeram perguntas contundentes, suas experiências muitas vezes desconhecidas dos intelectuais expuseram a necessidade de continuar esse debate e envolver mais os moradores das comunidades nessa busca de reconhecimento. Alguns intelectuais ficaram realmente desconfortáveis”, explica Perenguetti, que logo após a Jornada fundou o IDESPE, colocou os vídeos dos debates à disposição no seu site e já pensa na próxima edição do evento. “Talvez o debate mais polêmico tenha sido o da descriminalização das drogas, a maior parte dos jovens não sabia que Portugal e um país vizinho (N.E. o Uruguai) já tinham feito isso, e que os EUA estão no processo de legalizar a maconha”.

O capitão da PM, Rodrigo Veluzzo, afirma que houve poucas ocorrências dignas de nota: 1 assalto na região sem relação com o evento, 3 celulares furtados e um início de briga entre dois jovens embriagados. “Se todo rolezinho for assim, teremos poucas preocupações”, brincou Veluzzo.  Mas verdadeiro alívio veio para o sargento Marcio dos Reis, boçbeiro responsável pela região: “Minha maior preocupação era a segurança dos próprios rolezeiros. Juntar 6.000 crianças e adolescentes em um protesto social dentro de um espaço confinado como o Shopping Itaquera é um grande risco em termos de rapidez de evacuação e segurança de multidões. O shopping está adaptado somente para uma determinada quantidade de pessoas calmamente fazendo compras. Imagina se acontece um incêndio bem na hora do rolezinho? Seria uma tragédia.”

Uma imagem tocante da Jornada foi reparar em três senhoras que sentavam em cadeiras que trouxeram de casa e se abanavam para tentar diminuir os efeitos do forte calor no dia da Jornada. Elas tinham trazido suas filhas que queriam participar do evento, mas a condição foi que elas viessem para as vigiar. “Eu estava preocupada né? O que minha filha e sobrinhos de 13, 15 anos vão fazer nesses rolezinhos? Mas achei muito bom, esse pessoal está de parabéns” conta bem-humorada Solange Maria Aparecida. “Eu comprei também esses abanadores na lojinha de 1,99, acho que eles estão ganhando em cima do evento”.

Outra mãe coruja que lá estava para ficar de olho no filho era a vendedora Regina Célia Nascimento, ela mesma uma funcionária de loja do Shopping Itaquera: “Eu trabalho aqui e fico feliz de ver que meu filho vem participar na paz, não ia gostar de ver ele metido em confusão com a polícia”. Perguntada se ela era contra os protestos antes da primeira Jornada, ela explica: “Não sou contra o direito de ninguém protestar, mas eu tenho responsabilidade de cuidar do meu filho, então ele precisa primeiro ficar consciente sobre o que ele está protestando. Se quer opção de lazer pode falar comigo que a gente dá um jeito”.


O Galo Castrado

17jan14

O Galo Castrado

Um chapon de Bresse esperando a panela

Esse artigo apareceu primeiro no site Libertroll.

No dia 3 de janeiro, a Newsweek (que era de papel, agora é online, e voltará a ser de papel nos EUA em março de 2014) publicou um artigo sobre a “Queda da França” que fez tempestade, e as marolas chegaram ao commentariat liberal brasileiro que em grande parte se jogou com vontade na prática do Schadenfreude, “está vendo? O capitalismo está ganhando do Socialismo!”.

Houve uma esperada reação por parte dos defensores de l’État, mas também por uma enxurrada de franceses que pensaram wtf, uma gringa moradora de Paris resolveu fazer french bashing? Qual é a parada do novo dono da Newsweek, um francês chamado Etienne Uzac? A autora Janine Di Giovani, que parece ser uma correspondente de guerra minimamente séria e respeitada, imediatamente sumiu, sua conta de twitter foi deletada, e convenientemente ela parece estar no Sudão se protegendo de balas e bombas. Uma corega veio em sua defesa chamando a França de galo que virou avestruz.

Quando Júlio César chegou ao Hexágono (o mapa da França nos lembra e é chamado deste polígono) mais ou menos 50 antes de Cristo, chamou o povo celta que ali habitava de gauleses, porque esses “índios” tribais cultuavam o galo, animal orgulhoso, d’allure fière, brigão, adúltero e que fica gritando quando todo mundo quer dormir (qualquer semelhança com o povo atual não é mera coincidência). Será mesmo que esse povo enterrou a cabeça na areia e não quer mais ouvir a voz da razão (americana)?

Para o étranger mais liberal ou conservador, o artigo é uma pâtisserie irresistível, e para os socialistas francófilos é um motivo crivado de ultrajes. Mas a verdade nua e crua é que o artigo é uma bosta, um rejeton jornalístico. A mina não teve a dignidade de verificar números, citar fontes, nada. Não passa de on-dit, de contar o que ouviu o vizinho falar  através da parede. Em Paris você ouve quase tudo que seus vizinhos fazem, mas pelo menos as janelas costumam ser de vidro duplo.

Antes de citar as mais óbvias inverdades do artigo, quero deixar claro que não estou defendendo “a França”, muito menos o governo e seus programas, e a primeira idiotice do artigo, mas que é norma na mídia e nas cabeças do mundo inteiro em geral, é a confusão entre sociedade e governo. Para mim é claro que são coisas diferentes, que aquela não deveria ser sujeita àquele, e que se um governo faz um monte de cagadas, não se pode culpar a sociedade como um todo, isso seria um tipo pervasivo de coletivismo vertical.

A autora compara a fuga atual de franceses, supostamente por causa do atual presidente Flanby, à revogação do edito de Nantes pelo absolutista Luís Quatorzinho, causa da fuga de cerca de 700.000 protestantes para países vizinhos mais acolhedores. Sério? Então porque houve um aumento de apenas 1.1% dessa fuga em 2012, contra 6% em 2011? Será que o Francisco Holanda (quase homônimo com o Chico Buraco né não?), primeiro presidente “socialista” desde 1995, inventou o sistema de imposto na França? “Since the arrival of Socialist President François Hollande in 2012, income tax and social security contributions in France have skyrocketed”.

Será que em 2011 pagávamos zero porcento de imposto? Óbvio que não, o que este presidente milionário hipócrita fez foi apelar para o mais baixo populismo de viés social-democrata e começar um programa de aumento de impostos para as grandes fortunas, que não foi totalmente estabelecido, e provavelmente vai parar por aí. Sim, os magnatas e BIG CEOs nominalmente passarão a “contribuir” mais para o leviatã, mas a gente sabe que todo mundo consegue escapar do fisco não é? Sejamos pobres ou ricos, sempre há uma brecha, e os magnatas contratam os melhores especialistas para isso. Então não desperdice humidade pelos personagens da Revolta de Atlas, o governo também parasita neles, mas parasita muito mais no resto, e invariavelmente eles se aproveitam desse parasitismo como explica a teoria da captura.

As they say, the problem with the French is they have no word for entrepreneur. ” É de dar pena, essa palavra é francesa, e os ingleses a adotaram no século XIX. Vocês sabiam que no século 11 um normando (um tipo de viking afrancesado, imagine o governo transformando o líder do Comando Vermelho em prefeito de Nilópolis) chamado Guilherme o Conquistador atravessou o Canal da Mancha e meteu a porrada na elite anglo-saxã enquanto eles discutiam quem ia ser o novo déspota, e se transformou ele mesmo no King of the Black Cocada. A partir daí, my friends, branco falou somente francês na corte real inglesa até meados de 1400, e até hoje dois terços das palavras da língua do Bardo de Avon advêm da língua de Molière, quem diria. Você que fica rindo da Franceball e suas bandeiras brancas não conhecia esse nobre francês que fez bully com os pobres ingleses, certo?

Does he realize Rome is burning?” Aqui ela chega aos píncaros da hipérbole, a França está queimando, e logo em seguida nos deixa confusos com uma série de elogios sobre a excelente infra-estrutura, o TGV, a Airbus, a LVMH (que está grafado errado no artigo), a melhor indústria agrícola, a maior indústria turística, e mais adiante ainda fala do excelente sistema de saúde. O que concluir desta construção incoerente de argumentos? Ela te faz pensar em Roma sob as chamas, e depois pinta o paraíso. Certamente não dá para comparar o sistema de saúde francês com o SUS, mas peralá, como todo sistema estatal monopolístico e subsidiado com impostos o daqui também sofre com a burocracia, a ineficiência e a espera, não me parece um modelo a ser copiado. “Masterful state-subsidized schools”… Ela consegue colocar o filho dela numa escola de elite em Paris, enquanto o sistema nacional sofre de échec scolaire em massa, notadamente dos balieusards (suburbanos) que vivem em cités (conjuntos habitacionais estatais).

“But the past two years have seen a steady, noticeable decline in France. There is a grayness that the heavy hand of socialism casts.” Então ela volta à parte negativa e determina que o problema da França é o socialismo, entrando na eterna batalha pantanosa de definições ideológicas. Não tenho como entrar nessa barafunda agora, mas basicamente: a “França” é uma república social-democrata com alto intervencionismo econômico, e as diferenças deste sistema para o inglês, por exemplo, são cosméticas (90% dívida pública/PIB para os dois), pelo menos no debate socialismo-capitalismo.

Adiantando um pouco o que deverei escrever em outro artigo, a França é mais um país tomado pelo corporativismo buro-tecnocrata ordo-liberal, o que pode ser caridosamente chamado de neoliberalismo (que não é a mesma coisa que capitalismo, socialismo nem liberalismo, pfvr). Para explicar os problemas macroeconômicos não basta chamar qualquer coisa que você não goste de algum termo guarda-chuva como socialismo.

A estatística de 5.5 milhões de desempregados é sim oficial, mas como todo governo, o francês somente comenta a categoria dos desempregados que estão procurando emprego. Agora, 8 dólares o litro de leite em Paris? Eu tive que rir, eu compro em Paris por aproximadamente 1 euro, ou ela nunca desce do salto alto para comprar o leite no mercadinho em frente ao Jardim do Luxemburgo onde mora, ou ela está mentindo deliberadamente.

“With the end of the reign of Gaullist (conservative) Nicolas Sarkozy (the French hated his flashy bling-bling approach) the French ushered in the rotund, staid Hollande. Almost immediately, taxes began to rise.” Como ela tem acesso a dados que ninguém mais possui? Em nenhum lugar ela cita fontes, e não se consegue achar ninguém afirmando a mesma coisa pelas internets. Em 1995 quando entrou o gaulista Chirac do mesmo partido UMP que Sarkô, a carga fiscal era de 43%, e 16 anos de governo UMP a taxa subiu para 44.2, de onde não deve ter mexido muito em menos de dois anos de PS. Onde está o profissionalismo desta jornalista?

Não existe nada como fraldas ou creches gratuitas, existem associações beneficentes, ajuda estatal para pais pobres de recém-nascidos, creches associativas, creches municipais pesadamente subsidiadas… A reeducação muscular pós-parto é para fortalecer o canal vaginal, uma medida preventiva, e não para diminuir a barriga e sensualizar as MILFs, sacrebleu!

“Who cares about the BRICS – the emerging markets of Brazil, Russia, India, China, and South Africa – when we have Paris? It is a tunnel-vision philosophy that will kill France.” A China é o segundo maior investidor na França, o Brasil é o QUARTO. O mercado de vinhos de luxo de Bordeaux atualmente está todo bagunçado por causa da febre Château Lafitte entre os milionários chineses, e o número de turistas chineses em Paris só não foi maior que o de brasileiros e americanos em 2012. Qual é o critério que ela utiliza na análise da visão (de negócios? cultural?) de um povo para crer que um país vai ser MORTO?

A partir desse momento a autora cita opiniões de amigos seus reclamando de coisas que seriam impossíveis ser causadas pelo presidente que entrou há pouco tempo, escolas, inovação, línguas estrangeiras, dá preguiça de ler esses argumentos preguiçosos. Como eu disse, parece fofoca de comadre.

Enfim, leitores do Libertroll, as poucas meias verdades que ela usa como base para o artigo (elitismo e hipocrisia dos políticos, nanny welfare state, desemprego e encargos trabalhistas, intervencionismo) não são suficientes para passar a mão na cabeça dos inúmeros absurdos que a escritora cometeu com o intuito desonesto de criar uma polêmica populista e manipuladora. Lutemos contra o estado, mas contra o real e não o inventado. Critiquemos o intervencionismo com argumentos embasados. E, principalmente: parem de torcer por uma visão Polandball da França, é bom para rir, mas faz passar vergonha em qualquer roda de festa bobo.


Este artigo foi escrito para o site Libertroll

===================================

Bom dia leitores do Libertroll,

Ou boa noite, depende que horas vocês estiverem lendo isso, e ainda tem a diferença de fuso horário entre Paris e sei lá qual pedaço de terra batida serve de base para vossos pés. Pois é, eu moro em Paris, França, no “Continente”, e essa coluna será sobre as diferenças e semelhanças entre França e Brasil.

Placa de metal identificando o curso do Rio Bièvre, passando pelo 13éme.

Não apenas sobre isso. Como o Hermes, criador e editor do Libertroll definiu, uma coluna sobre como é “viver em um país socialista”, rs. Falarei mais sobre isso no decorrer da minha colaboração com esse trollog, porque os termos socialismo e capitalismo são como sua banda musical preferida: você adora falar sobre mas ninguém tem paciência para ouvir. Ou como time de futebol, não adianta falar bem, que o torcedor do time adversário vai ficar vaiando para ninguém te escutar.

Vou falar um pouco sobre mim, afinal, esse é o primeiro post da coluna. Sou muito preguiçoso. O Hermes teve que insistir muito para eu aceitar escrever. Mentira, ele apenas mandou um convite pelo chat do facebook, e eu, sem nada para fazer, resolvi voltar a escrever as besteiras pelas quais eu nunca fiquei muito conhecido, mas que faziam meu círculo de amigos pouco exigentes rir um pouco. Não, não me acho engraçado, quem está me acusando disso?!

Me formei em design de produtos na PUC-Rio em 1999, e não sei se você já teve contato com alguém de lá dessa época, 50% de chances de estar falando com um hipper, quero dizer, hippie hipster aluno do Prof. Ripper. Não me entendam mal, o Prof. Ripper é um arquiteto com ideias geniais sobre uso de materiais e sistemas de baixo impacto ambiental e alto envolvimento social, mas tudo isso com um grande distanciamento dos problemas diários que enfrentarão os futuros formados em suas classes.

Alguns alunos acabam utilizando bem seus ensinamentos, como o talentoso Fred Gelli (cujo principal cliente creio ser a Coca-Cola), e o pessoal das estruturas tencionadas de bambu para aluguel da Bambutec. Outros utilizam muito mal, como o vosso interlocutor momentâneo, que resolveu trabalhar com decoração artesanal de bambu no Rio de Janeiro, atendendo proprietários, comerciantes, arquitetos e engenheiros, e depois de 10 anos de muita labuta, desistiu e criou ranço.

Não me falem em bambu hoje em dia. Fui à China, índia, Equador e Colômbia, sem contar lugares inóspitos (por acaso você já foi à praia de Ponta Verde em Maceió?) pelo Brasil afora, para aprender e ensinar sobre como o bambu era a solução perfeita para todos os problemas da humanidade. Eu caí como um patinho na maior fraude pseudocientífica do nosso século: o apocalipse ambiental.

O bichinho da duvida começou a erodir as bases do castelo de cartas quando um amigo colombiano engenheiro florestal fez uma corajosa palestra chamada “os mitos sobre o bambu”, bem no meio do 7o Congresso Mundial de Bambu em Nova Déli (sim, isso existe). A partir daí comecei a ler, ainda em 2004, sobre como as florestas não eram “o pulmão do mundo” (o oceano tem mais direitos sobre essa reinvidicação), e sobre outros mitos mais, o que me abriu muito a cabeça, mas abriu também um buraco no meu chão.

Então quer dizer que a solução para o mundo não é plantar bambu, ser mais verde, estimular meios de subsistência dignos da idade da pedra? Então qual é a solução, se é que existe uma? Passei então a dar atenção àquilo que eu achava o assunto mais sonolento possível: economia política. Não sabia absolutamente nada, porém meu primo estava já bem envolvido, e passei a ler seu blog. Conheci a pletora de blogs e sites liberais, e desde então leio bastante sobre o assunto.

A social-democracia ecológica foi totalmente lavada de mim, escorreu da minha pele facilmente por ser um mito de bases filosóficas muito fracas, incoerentes. Foi como uma poeira que saiu com um pouco d’água. Sabe aquela piada de que a diferença entre um minarquista e um anarcocapitalista é de seis meses? Pois é, apesar de estar farto de rótulos e hoje me identificar de forma flexível dentro da escola do anarquismo individualista. Não pare de ler somente porque eu escrevi anarcocapitalismo!!!

Minhas perspectivas profissionais e financeiras não eram muito promissoras no Rio de Janeiro ( e continuam não sendo em qualquer lugar anyway), então decidimos, eu e a senhora, nos mudarmos para Paris (essa deliciosa cacofonia), aproveitando meus 25% de DNA francês. Meu avô materno era filho de dois bordelais, e o passaporte francês sempre correu no nosso sangue. A chegada em Paris, uma cidade que nunca havíamos visitado, foi traumática, nem o aquecedor sabíamos acender no apartamento de 18 m², mas em breve estávamos aproveitando a moradia em um dos países mais ricos, material e culturalmente, do mundo. Piqueniques, museus, TGVs, vinhos, queijos, é uma delícia morar num país civilizado, para variar.

Acabei enveredando pelo setor de turismo, como técnico responsável pelo maquinário de transporte geográfico humano, o famoso chauffeur, motorista de turistas brasileiros, ou para aproveitar a chance de um neologismo, moturista. A parte legal é que me esforcei em aprender a história e a cidade, e isso faz diferença em uma cidade embebida em história, cheia de esprit, de je-ne-sais-quoi (essa última foi de sacanagem). Você sabia que Paris tem mais de dois mil anos de história? Pois é. Conseguimos nos instalar no 13º arrondissement, perto de onde passava o rio Bièvre, outrora livre desde perto de Versalhes até o Sena, hoje obrigado a se esconder em tubos de concreto perto de Antony, antes de se jogar no sistema de esgoto de Paris. Você anda nas ruas do quartier Maison-Blanche e vê os selos de metal no chão indicando onde antes passava esse rio da Île-de-France.

Então messieurs-dames, me voici, colunista emergente deste novo site, para borbulhar desconhecimentos sobre a vida de um anarquista preguiçoso em um país corporativista com fama de socialista.

Até a próxima, onde devo destrinchar o horroroso artigo da newsweek sobre “A queda da França”.




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.